Aris Oikonomou/EFE
Aris Oikonomou/EFE

Entenda por que a Bélgica registrou tantas mortes por coronavírus

Uma explicação pode ser a densidade populacional relativa do país em comparação com seus vizinhos

Michael Birnbaum / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2020 | 15h07

BRUXELAS - Pelos números oficiais, a Bélgica foi o país mais atingido no mundo pelo coronavírus. A nação de 12 milhões tem a maior taxa de mortalidade entre os casos confirmados, em 16,4%. E tem o maior número de mortes em termos de população: 78 mortes por 100 mil pessoas, segundo estatísticas compiladas pela Universidade Johns Hopkins.

Os Estados Unidos, em comparação, relataram 27 mortes por coronavírus por 100 mil pessoas. A Espanha registrou 58. A Itália registrou 52. No Brasil, são 7,1 vidas perdidas por 100 mil habitantes.

As autoridades belgas tentaram diminuir a preocupação, sugerindo que seus números são produtos de seus métodos contábeis e comprometem-se a capturar uma imagem precisa de seu surto. 

Outras maneiras de estimar mortes relacionadas a vírus sugerem que o método belga pode estar entre os mais precisos do mundo, e outros países podem estar subestimando significativamente seus números de mortes.

A má notícia para a Bélgica é que, mesmo nesses outros cálculos, o país ainda se sai mal em comparação com seus vizinhos, depois de se ajustar ao tamanho.

Segundo dados divulgados no domingo, a Bélgica registrou 9.052 mortes pelo coronavírus. Dessas, cerca de 40% são "casos possíveis", não confirmados por testes. A maioria dos países não inclui casos suspeitos que não foram confirmados positivamente.

"Nossa maneira de contar as coisas é a mais cientificamente correta e honesta", disse a repórteres Yves Van Laethem, virologista e porta-voz do governo belga.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Van Laethem mostrou aos repórteres um slide de cálculos da revista The Economist, indicando que o número oficial de coronavírus da Bélgica acompanha de perto as “mortes em excesso” no período de pandemia - o número de mortes que excedem o que seria esperado para o período, com base nas taxas históricas de mortalidade do país . 

A Bélgica atribuiu 7.559 mortes entre 16 de março e 26 de abril ao coronavírus. A revista The Economist estimou que o país teve 7.397 mortes a mais naquele período do que seria esperado.

Em comparação, uma equipe de pesquisadores de Yale que analisou os dados de mortalidade dos EUA em parceria com o Washington Post este mês estimou que, com o excesso de mortes como guia, o número real de vítimas pode ser uma vez e meia maior que o número oficial.

Há riscos em usar o método e em extrair muito das comparações de país para país. Conjuntos de dados completos podem demorar para chegar, levando a subnotificações.

A estimativa geral de excesso de mortes também pode incluir outras mortes, como pessoas que morreram de doenças não relacionadas porque optaram por não procurar atendimento médico como resultado da pandemia. E está sujeito a outros efeitos dos bloqueios, como menos acidentes rodoviários.

Mas como os países estão contando suas mortes de coronavírus de maneira diferente, os epidemiologistas começaram a favorecer os cálculos de excesso de mortes como a maneira mais precisa de rastrear o impacto do vírus.

Pela análise da Economist, o Reino Unido foi o mais atingido entre os países que a publicação examinou a medida pelo excesso de mortes em comparação com a população em geral. A Espanha ficou em segundo; com a Bélgica em terceiro. 

Os cálculos do Financial Times mostram aproximadamente a mesma imagem. As autoridades belgas reconhecem que o país foi atingido com força.

"Contamos com muita precisão, mas isso não alivia o fato de termos sido atingidos severamente", disse Steven Van Gucht, chefe de doenças virais do equivalente da Bélgica aos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Uma explicação, disse ele, pode ser a densidade populacional relativa da Bélgica em comparação com seus vizinhos: o aeroporto de Bruxelas, um centro de transporte internacional, pode ter ajudado a semear a doença na região da capital. E muitos belgas estavam de férias no norte da Itália durante as férias no fim de fevereiro.

Os lares de idosos da Bélgica são responsáveis por mais da metade de suas mortes, em parte porque os belgas mais velhos têm mais probabilidade do que seus colegas de outros países europeus de morar em casas para idosos.

As autoridades de saúde pública reconhecem que demoraram a perceber os riscos que as casas representavam como vetor para espalhar a doença. Os militares belgas foram enviados para algumas casas de repouso para ajudar a mantê-las em funcionamento depois que muitos de seus trabalhadores foram atingidos pelo coronavírus.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que acredita que até metade das mortes por coronavírus na Europa pode estar em lares de idosos.

Van Gucht disse que as autoridades belgas não acreditam que sua situação no lar de idosos seja pior do que em outras partes da Europa e acreditam que isso foi controlado por meio de testes e fornecimento de equipamentos de proteção aos funcionários.

A Bélgica, um país rico, tem uma capacidade médica relativamente alta. Mesmo no auge do surto no país, a ocupação de leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nunca subiu muito acima de 60%, fato que as autoridades de saúde pública têm se concentrado com algum orgulho, apesar do alto número relativo de mortes. 

Ainda assim, eles disseram, não importa como os números sejam contados, a Bélgica foi seriamente afetada. "Conseguimos nossa boa parte do vírus na Europa Ocidental", disse Van Gucht./ W. POST 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.