Entidade pede que OEA pressione governo de Honduras

A Organização dos Estados Americanos (OEA) deve pressionar o governo de facto de Honduras para que não continue fazendo uso excessivo da força contra manifestantes, afirmou hoje, em comunicado divulgado em seu site, o grupo humanitário Human Rights Watch (HRW).

AE, Agencia Estado

24 de setembro de 2009 | 11h27

A entidade afirma que recebeu relatos sobre o uso excessivo da força pelos agentes de segurança hondurenhos. Segundo essas fontes, mais de 150 pessoas foram "arbitrariamente detidas" durante os distúrbios no país. "A comunidade internacional deve imediatamente tomar medidas para evitar novos abusos das forças de segurança hondurenhas", afirmou José Miguel Vivanco, diretor da HRW para as Américas.

Defensores locais dos direitos humanos relataram que mais de 150 presos chegaram a ser mantidos em um estádio de beisebol. Alguns foram detidos em confrontos com as forças de segurança na terça-feira, enquanto outros teriam sido detidos durante batidas policiais em vários pontos de Tegucigalpa. Na tarde de ontem eles foram transferidos.

O HRW também recebeu relatos de que alguns manifestantes se envolveram em atos de vandalismo e violência contra as forças de segurança. Vivanco ponderou que os policiais hondurenhos obviamente têm o direito de prender os envolvidos em atividades criminais, "mas isso não dá a eles carta branca para se envolverem em brutalidade ou desrespeito ao devido processo legal".

Tudo o que sabemos sobre:
HondurascriseHuman Rights WatchOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.