Entidades queixam-se de infraestrutura

O principal problema da costa brasileira para abrigar o tráfego de navios de cruzeiro é a infraestrutura precária da maioria dos portos do país, avaliam entidades do setor. Com o crescimento da procura da "nova classe média" por viagens do gênero, as operadoras têm encontrado dificuldades para atracar em alguns portos do país, especialmente no Nordeste.

LUIZ RAATZ, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2012 | 03h04

"Para o governo, porto é para atracar e descarregar mercadoria. Mas nós não somos mercadoria", disse ao Estado o vice-presidente da Agência Brasileira das Agências de Viagens (Abav), Edmar Bull. "A segurança dos portos precisa melhorar bastante. Falta infraestrutura."

Na opinião do diretor da Abav, apenas o Porto de Santos - o maior do país - tem as instalações adequadas para receber navios de cruzeiro. O principal problema estaria nos portos do Nordeste. "Lá é tudo horrível. Não tem táxi, não tem ônibus. Toda a estrutura no entorno dos portos é ruim", afirmou.

Na temporada 2011/2012, passarão 17 navios de luxo pela costa brasileira, menos do que os 22 do período anterior. A maioria sai dos portos de Santos e do Rio de Janeiro com destino ao Nordeste, Uruguai e Argentina. Segundo a Abav, nos último cinco anos, o fluxo de passageiros cresceu, em média, 35% ao ano. Nesta temporada, o aumento deve ser de 12%.

"A segurança dos navios não é problema porque segue o padrão internacional, mas a infraestrutura precisa melhorar bastante", ressaltou o vice-presidente da entidade. "O governo deveria visitar portos como o de Fort Lauderdale, na Flórida. Temos tudo para ser os primeiros. É só querer."

O terminal de passageiros em Santos conta com oito salões para embarque e uma área de 16,2 mil m² projetada para atender o fluxo de veículos de passeio, ônibus e vans, além de posto médico, restaurantes e lojas.

No Nordeste, a situação é diferente. A concorrência para a licitação do terminal de passageiros do Porto de Salvador foi aberta no dia 3. Em 2011, 9,8 % dos navios ancorados ali eram de passageiros. O porto teve a maior movimentação de turistas fora do eixo Rio-São Paulo na temporada 2010/2011.

Para este ano, a Companhia de Docas da Bahia (Codeba) espera a chegada de 260 mil passageiros a Salvador, 26 mil deles só em viagens marcadas para o carnaval. Em 15 anos, o fluxo de passageiros no porto baiano cresceu 1067%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.