Ariana Cubillos/AP
Ariana Cubillos/AP

Entorno de Nicolás Maduro recuou na Venezuela, dizem EUA

Assessor de Segurança Nacional de Trump, John Bolton, acusa cúpula chavista de não cumprir acordo para apoiar Guaidó

Beatriz Bulla, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2019 | 22h47

Em meio ao iminente fracasso da manobrada liderada pelo líder opositor Juan Guaidó, o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, garantiu que a cúpula do chavismo na Venezuela recuou depois de ter negociado apoio para derrubar Nicolás Maduro. Seja uma revelação ou um blefe, a mensagem representa uma ofensiva para tentar dividir o governo venezuelano. 

Em uma mensagem de vídeo, Bolton deu nome aos que seriam traidores: o ministro da Defesa, Vladimir Padrino, o presidente del Tribunal Superior de Justiça, Maikel Moreno, e o comandante da guarda presidencial, Iván Hernández Dala. Os três teriam concordado em apoiar Guaidó. “Acabou o tempo de vocês”, disse Bolton, se referindo aos três.

“Essa é sua última chance. Aceitem a anistia de Guaidó, protejam a Constituição e removam Maduro, e nós tiraremos vocês da lista de sanções. Continuem com Maduro e afundem com o navio.”

Ao vivo: veja a cobertura da crise na Venezuela

O secretário de Estado, Mike Pompeo, adotou linha semelhante. Segundo ele, Maduro estava pronto para deixar a Venezuela, mas foi convencido pelos russos a ficar. “Ele tinha um avião na pista, estava pronto para sair. Pelo que sabemos, os russos lhe disseram que deveria ficar”, disse Pompeo em entrevista à CNN. O destino do venezuelano era Havana.

Intensificando a pressão contra Maduro, os EUA ofereceram nesta terça-feira, 30, a ampliação da anistia e fim das sanções aos que deixarem de dar suporte a Maduro. O Departamento do Tesouro americano divulgou que “o caminho para alívio de sanções individuais é mudar o comportamento através do apoio a um líder venezuelano democraticamente eleito e àqueles que buscam a restauração da democracia”.

O senador republicano Marco Rubio, considerado um dos principais articuladores da política anti-Maduro no governo de Donald Trump, sugeriu que aqueles que recuaram podem acabar sem respaldo de nenhum dos lados. “Estou vendo tuítes de apoio a Maduro de alguns daqueles oficiais de alto nível que estavam trabalhando para removê-lo. Mas os cubanos e o regime sabem o que vocês estão fazendo. E, se não sabem, saberão muito em breve. E aí? Sejam espertos, não atrasados”, escreveu Rubio.

Em outra frente de pressão, o presidente Donald Trump ameaçou Cuba, um dos aliados mais próximos do chavismo. “Se as tropas cubanas e as milícias não interromperem imediatamente as operações militares na Venezuela, vamos impor um embargo pleno e total, com sanções de alto nível”, tuitou Trump.

Bolton afirmou na terça-feira, 30, que Trump – quem, segundo ele, está acompanhando a situação minuto a minuto – espera ver uma transição de poder “pacífica”, mas repetiu a retórica de que “todas as opções estão na mesa”. A Casa Branca tem usado a frase para deixar no ar uma ameaça militar contra Maduro. 

“Como eu disse, todas as opções continuam sobre a mesa. Eu não vou ser mais específico do que isso. Desde o início, dissemos que seria um grande erro de Maduro usar a força contra civis inocentes”, afirmou Bolton, ao responder jornalistas na Casa Branca. Nos bastidores, contudo, assessores consideram improvável que Washington use a força na região sem respaldo dos vizinhos. Brasil e Colômbia já se manifestaram publicamente contra qualquer ação militar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.