Entra em vigor o cessar-fogo entre Israel e o Hezbollah

O cessar-fogo estipulado pelo Governo de Israel e pela guerrilha xiita libanesa do Hezbollah entrou em vigor às 08h (02h em Brasília) desta segunda-feira.O cessar-fogo, acordado pelas partes implicadas no conflito, acolhe à resolução 1701 aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU no último sábado, depois de um mês de guerra.A medida implicará no posicionamento de uma força multinacional amparada pela ONU no sul do Líbano, onde o Governo de Beirute também deverá enviar cerca de 15 mil soldados. Tropas israelenses começam a deixar o sul do Líbano, enquanto os refugiados libaneses voltam para a região. O regresso tem causado congestionamentos nas estradas que levam ao sul do país. Além do grande volume de carros, os automóveis têm que realizar o trajeto desviando de crateras de bombas e de pontes destruídas.Segundo a imprensa libanesa, os ataques de Israel sobre o Líbano continuaram até minutos antes da entrada em vigor do cessar-fogo.Após o cessar-fogo, as tropas israelenses mataram um guerrilheiro do Hezbollah que abriu fogo contra o exército. Esse foi o primeiro conflito registrado desde o início do cessar-fogo. Os ataques de Israel continuaram até 15 minutos antes do prazo de cessar-fogo. No domingo sete soldados israelenses morreram em combates. No mesmo dia o Hezbollah disparou 250 mísseis, matando um homem e ferindo 13.Pontos da resoluçãoA resolução aprovada solicita a "suspensão completa das hostilidades" e, em particular, que a milícia xiita libanesa do Hezbollah interrompa todos os seus ataques e que Israel ponha fim a todas as suas "operações militares ofensivas".Uma vez que se tenha alcançado o fim das hostilidades, é pedido que o Governo de Beirute e a Força Provisória da ONU no sul do país (Finul) postem conjuntamente suas forças na região fronteiriça, e paralelamente exija ao Governo de Israel que retire os dez mil efetivos que estão em território libanês.O documento pede também o reforço das tropas da Finul, que conta atualmente com dois mil soldados, até conseguir um máximo de 15 mil efetivos, para que possa cumprir seu mandato de supervisionar a trégua. O Líbano deve enviar 15 mil soldados, e as tropas da ONU terão o mesmo número, num total de 30 mil soldados.Israel mantém o bloqueio aéreo e marítimo do Líbano a fim de evitar que o Hezbollah receba mais armas. Tanto o Estado judeu quanto a milícia shiita afirmam ter ganhado a guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.