Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Entrada fácil no Paraguai, mas controle policial 

País quase não impôs restrições à entrada de brasileiros; mesmo assim, nas ruas, alguns carros com placas do Brasil são abordados

Denise Paro / Especial para o Estadão , O Estado de S.Paulo

21 de março de 2021 | 05h00

FOZ DO IGUAÇU - A circulação entre Ciudad del Este e Foz do Iguaçu diminuiu com a escalada de casos de covid no Brasil. Em Foz, os leitos de UTI estão tomados há três semanas.

“Alguns paraguaios, habituados a frequentar confeitarias, supermercados e lojas do lado brasileiro, só cruzam a fronteira agora para o que é essencial”, diz o brasileiro Marcio Giordani, que vive na cidade de Santa Roda del Monday. Ele conta que há um medo generalizado em relação ao Brasil. “Receio todo mundo tem. Quem vai para Foz é por necessidade médica.”

No lado paraguaio, não há controle na Ponte da Amizade. O Paraguai quase não impôs restrições à entrada de brasileiros. A única é a apresentação de um PCR negativo feito por laboratório autorizado até 72 horas antes da chegada. Mesmo assim, nas ruas, alguns carros com placas do Brasil são abordados.

Brasileiro que estuda medicina no Paraguai, Daniel Ronque conta que sua universidade, em Puerto Presidente Franco, vizinha a Ciudad del Este, emitiu um documento para que os alunos não tenham problemas com a fiscalização. Muitos circulam no Paraguai e já foram alvo da polícia.

Ciudad del Este sente os efeitos da pandemia. CEO do Grupo Cell Motion, Jorbel Griebeler diz que o comércio vive a pior fase desde que a Ponte da Amizade foi reaberta, em outubro, com uma redução de 70% do movimento. “O fluxo de gente caiu. Em fevereiro já começou a ficar ruim.” Para ele, os constantes lockdowns no Brasil estão refletindo no fluxo de turistas e compradores. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.