Entre o carisma e a polêmica, Chávez vence outra vez

Hugo Chávez, reeleito presidente da Venezuela, se colocou em quase oito anos de Governo em um palco feito sob medida, de onde gera admiração ou rejeição, com sua particular visão do mundo e uma surpreendente presença midiática.O homem que há quase 15 anos quis tomar pela força o Palácio de Miraflores, sede presidencial, se submeteu mais uma vez, e com sucesso, ao veredicto dos venezuelanos, cujo bem-estar é, segundo afirma, sua única preocupação, no nome da revolução socialista e à luz da tocha de Simón Bolívar.Carismático, polêmico, controvertido, imprevisível: Hugo Chávez, de 52 anos, presidente da Venezuela desde 1999, seduz ou irrita, mas não deixa indiferente, nem no país, ao qual deu o nome de República Bolivariana, nem além das fronteiras, onde não hesita em causar controvérsia quando, na sua opinião, a situação assim merece.O mesmo homem que chama de "diabo" o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e briga com outros líderes latino-americanos, como Vicente Fox e Alan García, com a mesma contundência, expressa sua amizade e proximidade a Luiz Inácio Lula da Silva, Fidel Castro e Evo Morales.Vida Nascido em 28 de julho de 1954, na localidade de Sabaneta, nas cercanias dos Andes venezuelanos, Hugo Rafael Chávez Frias, segundo dos sete filhos de um humilde camponês, foi criado, junto com seu irmão Adán, no lar de sua avó.Segundo as diversas biografias sobre sua vida, Chávez teve uma infância feliz e desde muito jovem conheceu uma grande paixão: o beisebol.Na busca por seu sonho esportivo, partiu para Caracas e ingressou, em 1971, na Academia Militar, para jogar beisebol com a equipe do centro. Quatro anos depois, se graduou como subtenente, após licenciar-se em Ciências e Artes Militares no ramo da Engenharia.Outra vez em sua cidade natal, se casou com Nancy Colmenares, com quem teve três filhos.Mais tarde, divorciado, casou-se com a locutora María Isabel Rodríguez, com a qual tem uma filha e está agora separado.IdeaisEm seus anos no Exército, segundo ele mesmo explicou, tomou consciência das desmoralizações e outros abusos, e em dezembro de 1982, reunido com outros dois capitães, jurou lutar para implantar seus ideais bolivarianos.Anos depois, em 4 de fevereiro de 1992, Hugo Chávez, então tenente-coronel, liderou junto com outros quatro comandantes uma fracassada tentativa golpista contra o presidente Carlos Andrés Pérez (1974/79-1989/93), que deixou 17 soldados mortos e 50 feridos.Fracassado o golpe, fez uma aparição na TV para assumir a responsabilidade pela revolta que estava concluída "por enquanto": estas palavras fizeram do desconhecido militar um personagem popular.PresidênciaApós dois anos de prisão, Chávez abandonou o Exército em troca de sua liberdade, iniciou a luta política com o apoio das minorias de esquerda e, com a promessa de um Governo para os mais pobres, venceu as eleições presidenciais de 1998.Tinha então 44 anos e se tornou o presidente mais jovem da história da Venezuela, ao tomar posse em 2 de fevereiro de 1999.Em seus quase oito anos de Governo, venceu todas as disputas eleitorais, entre as quais três referendos, duas legislativas e as presidenciais de 2000, necessárias para legitimar os poderes públicos segundo a nova Constituição, de dezembro de 1999.Vida públicaAo mesmo tempo aconteciam as greves gerais, e em 11 de abril de 2002, um golpe de estado o tirou do poder durante 48 horas e instalou um Governo de fato presidido pelo líder da patronal, Pedro Carmona.Em 14 de abril, voltou a Miraflores apoiado por militares leais e milhares de seguidores que invadiram as ruas do país.Por razões de segurança, Chávez não tem uma agenda pública e suas viagens deixaram de ser anunciadas, a não ser quando ele mesmo as informa em seu programa de TV "Alô Presidente", de onde, todos os domingos, vestido de vermelho, conversa ao vivo durante horas com os fiéis "chavistas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.