Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

ENTREVISTA-Hillary promete papel ativo por paz no Oriente Médio

A pré-candidata do Partido DemocrataHillary Clinton prometeu engajar-se e envolver-se "totalmente"com o Oriente Médio caso vença a corrida pela Presidência dosEstados Unidos e disse que manterá em caráter permanente naregião um representante para atuar no processo de paz. Hillary, cujo marido, Bill Clinton, ex-presidentenorte-americano, participou ativamente, mas ao final semsucesso, das negociações de um acordo de paz entre Israel e aAutoridade Palestina, disse que o governo de George W. Bushcometeu "os pecados da omissão e da delegação" ao não atuar deforma mais enérgica. "Acredito ser importante para os EUA manter um papel ativoe de engajamento", afirmou ela em entrevista à Reutersconcedida no domingo. "Acho que um dos motivos pelos quais estamos vendo umasituação tão perigosa lá hoje em dia é porque o governo Bushdesistiu de envolver-se e, nas questões em que se envolveu,grande parte dos conselhos e das propostas dele não deramresultado." Hillary, que disputa com o senador Barack Obama a vaga doPartido Democrata nas eleições presidenciais de novembro,argumentou que possui mais a oferecer na área de políticaexterna e que tem mais chances de derrotar o candidato doPartido Republicano na disputa, John McCain, também senador. A ex-primeira-dama afirmou caber aos israelenses e aospalestinos determinar qual papel, no processo de paz, deveriaser desempenhado pelo Hamas, o grupo islâmico comprometidodeclaradamente com a destruição de Israel e que assumiu ocontrole da Faixa de Gaza em 2006, em meio a um conflitointerno. "Eu me pautaria pelo governo e pelo povo de Israel e pelasdecisões deles para proteger seus interesses e sua segurança",afirmou. "Com certeza, eu aceitaria um papel produtivo da parte daAutoridade Palestina." Hillary, ciente da importância do voto judaico para suacandidatura, não quis dizer se pressionaria Israel parasuspender de forma definitiva a construção de assentamentosjudaicos e afirmou que o próximo presidente teria que ser capazde identificar com mais clareza o caminho a ser seguido paralevar paz à região. "Tendo eleito mais uma vez um presidente que estátotalmente comprometido e envolvido, um presidente que não seexime e que não impõe condições impossíveis de serem atingidas,teremos, como você sabe, uma idéia muito melhor sobre o queprecisará ser feito para levar as partes a uma solução",afirmou. Questionada sobre se ela estaria "totalmente engajada eenvolvida", Hillary respondeu: "Sim." PRESENÇA PERMANENTE O esforço do ex-presidente Clinton para, em 2000, selar apaz entre os palestinos e os israelenses terminou em fracasso,ao que se seguiu um violento levante palestino. A ex-primeira-dama costuma dizer em seus pronunciamentosque fará de seu marido um embaixador da boa vontade para paísesestrangeiros se vencer a eleição presidencial. Mas Hillary nãoquis dizer na entrevista de domingo se o Oriente Médio seria umdos destinos dele. "Eu não sei se ele seria enviado para lá", afirmou. "Acho que a gente precisaria de alguém presente o tempotodo naquela região", disse, acrescentando que a ausência deuma pessoa do tipo representou um dos grandes problemas de Bushe de sua secretária de Estado, Condoleezza Rice. "Não contamos com alguém lá o tempo todo. E tudo tinha deesperar até que Rice regressasse para lá. E eu acho que issofoi um erro", afirmou Hillary. "Esse parece ser um padrão de grande parte dos esforçosdiplomáticos deles, e eu não acho que isso seja algoparticularmente produtivo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.