AP Photo/David J. Phillip
AP Photo/David J. Phillip

Entrevista: ‘Imigrantes movimentam a economia nos dois países’

Conselheiro do Centro para Estratégias e Estudos Internacionais diz que a política do governo dos EUA de revogar a permissão de permanência temporária de imigrantes vai fazer com que eles 'entrem nas sombras'

Entrevista com

Mark Schneider

Beatriz Bulla / Correspondente, Washington, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2018 | 05h00

WASHINGTON - A política do governo dos EUA de revogar a permissão de permanência temporária de imigrantes vai fazer com que uma parte da população “entre nas sombras”, saindo da legalidade para a ilegalidade.

Essa é avaliação do conselheiro do Centro para Estratégias e Estudos Internacionais (CSIS, na sigla em inglês) Mark Schneider, que já esteve na direção da organização americana Peace Corps e na Usaid, a agência dos EUA para desenvolvimento internacional. Ele avalia ainda que a política atual pode levar mais pressão às fronteiras, pois aqueles que forem obrigados a sair tentarão voltar aos Estados Unidos.

- Qual sua avaliação sobre a política de revogação do status de permanência temporária?

É ultrajante. Cria um problema para os países, que teriam de receber de volta essa população de cerca de 300 mil cidadãos que vivem aqui há 17, 18 anos. E as consequências para as pessoas são devastadoras. A maioria delas está trabalhando, pagando imposto, fazendo tudo o que a lei permite aos cidadãos. Há crianças (de origem) salvadorenha e hondurenha que nasceram aqui e são cidadãs americanas. Isso coloca as famílias de imigrantes diante de uma escolha terrível: levam de volta os filhos a situações que consideram de violência ou os deixam no país com pessoas pouco conhecidas?

- Muitos dizem que continuarão no país, mesmo após o fim do prazo do TPS. O que acontecerá com eles?

Essas pessoas vão entrar nas sombras. Estarão vulneráveis a extorsões e às decisões de autoridades de imigração. Ao mesmo tempo, elas não vão mais pagar impostos nem contribuir para a sociedade civil. Não faz sentido. Essas pessoas estão contribuindo para a economia americana, prestando serviços, movimentando a economia aqui e nos seus países para onde enviam dinheiro.

- E poderão ser deportadas?

Se eles forem deportados, vão imediatamente se tornar parte daquela massa que tenta entrar no país, colocando mais pressão na discussão sobre as fronteiras. Não há dúvida de que essas pessoas tentarão regressar. O governo está passando as pessoas da legalidade para a ilegalidade. Ele (Donald Trump) está tornando ilegais esses cidadãos. Isso é hipócrita. Eles estiveram aqui legalmente por dois governos.

- A Casa Branca considera que já não existe mais a situação de insegurança nesses países, o que fez com que a permanência fosse revogada.

Advogados do Departamento de Justiça dos Estados Unidos avaliaram, nos últimos anos, desde que a permissão foi concedida a El Salvador, que a lei permitia a extensão. A lei americana diz que só retornarão ao seu país de origem se for seguro fazer isso. Não há dúvida de que o governo atual sabe que não é seguro para essas pessoas voltar a seus países de origem. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.