Enviado americano analisa crise de mísseis norte-coreanos

O subsecretário de Estado americano e enviado especial para assuntos coreanos, Christopher Hill, abriu hoje uma rodada de contatos com o Governo japonês sobre a estratégia em relação à Coréia do Norte e seus lançamentos de mísseis.Hill se reuniu com o ministro de Assuntos Exteriores japonês, Taro Aso, e ao longo do dia analisará a situação em torno da Coréia do Norte com o delegado japonês nas conversas nucleares com Pyongyang, Kenichiro Sasae, e outros especialistas japoneses na península coreana.O subsecretário de Estado americano chegou domingo à noite a Tóquio vindo da Coréia do Sul e da China, onde se reuniu com o ministro da Unificação sul-coreano, Lee Jong-seok, e com o ministro chinês de Assuntos Exteriores, Li Zhaoxing.A ofensiva diplomática de Japão e EUA acontece poucas horas antes de o Conselho de Segurança da ONU votar em Nova York o projeto de resolução apresentada pelo Japão - com apoio dos Estados Unidos -, que pede sanções econômicas contra Pyongyang devido aos vários lançamentos de mísseis na semana passada.A minuta da resolução condena o lançamento de mísseis e proíbe a transferência a Pyongyang de recursos financeiros, materiais e tecnologia que possam ser usados para a fabricação de mísseis e armas de destruição em massa.As conversas de Hill em Tóquio também coincidem com a missão da China, liderada pelo vice-primeiro-ministro chinês, Hui Liangyu, a Pyongyang, onde o enviado chinês manifestará ao regime norte-coreano a preocupação de Pequim com a escalada de tensão após o disparo dos mísseis.Em 5 de julho, a Coréia do Norte fez testes de sete mísseis, um deles intercontinental, que caíram sucessivamente no mar do Japão e geraram alarme no leste da Ásia.Ontem, o subsecretário de Estado americano para Assuntos Políticos, Nicholas Burns, pediu que a China pressione a Coréia do Norte para suspender seu programa nuclear e seus testes com mísseis, e afirmou que os EUA não negociarão bilateralmente com Pyongyang.Em Seul, Christopher Hill afirmou que está disposto a se reunir com o vice-ministro de Exteriores norte-coreano, Kim Kye-gwan, e manter um diálogo bilateral, mas como parte de uma nova rodada das conversas a seis lados.Esse processo de diálogo entre as duas Coréias, EU, Rússia, China e Japão sobre o programa de armas nucleares da Coréia do Norte está estagnado desde novembro, devido ao boicote norte-coreano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.