Enviado da ONU à Síria: conflito é ameaça à paz mundial

O enviado da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe para a Síria, Lakhdar Brahimi, disse que o conflito no país é uma ameaça à paz mundial. Brahimi declarou também que a crise, que já dura 18 meses, está se aprofundando e que as distâncias entre os partidos políticos estão aumentando.

AE, Agência Estado

15 de setembro de 2012 | 10h09

O enviado falou com jornalistas na capital síria neste sábado, após sua primeira reunião com o presidente Bashar Assad. Foi a primeira visita de Brahimi ao país desde que assumiu a função de encerrar o conflito, considerada por ele mesmo como "quase impossível".

Brahimi substituiu o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, que deixou o cargo em agosto após o fracasso de seus esforços para conter a violência, iniciada em março de 2011.

Durante a coletiva de imprensa neste sábado, Brahimi disse que a guerra civil na Síria representa uma ameaça ao povo sírio, à região e a "todo o mundo".

Já Assad pediu diálogo entre o sírios durante o encontro com Brahimi, segundo a televisão estatal. "O problema na Síria é combinar a política com o trabalho feito com a população", disse o presidente. "O trabalho político continua, principalmente com a convocação para o diálogo entre os sírios, tendo como base as aspirações de toda a população", afirmou ele.

"O sucesso da ação política depende da pressão sobre os países que financiam e treinam terroristas e que trazem armas para a Síria, até que parem de fazer isso."

Assad disse que seu governo vai "cooperar com todos os esforços sinceros para resolver a crise, contanto que esses esforços sejam neutros e independentes". As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.