Enviado da ONU pede ordem de cessar-fogo para a Somália

O principal enviado das Nações Unidas à Somália pediu que o Conselho de Segurança da organização determine um cessar-fogo imediato entre as tropas etíopes que apóiam o governo da Somália e a poderosa milícia islâmica que controla a maior parte do país, afirmando que negociações são o único meio de resolver o conflito.O representante especial do secretário-geral na Somália, François Lonseny Fall, disse, durante uma reunião de emergência do Conselho, que os combates já atingem uma área de 400 quilômetros quadrados, o que forçou a ONU a retirar-se e a interromper a assistência a dois milhões de pessoas nas regiões central e sul do país, afetadas pelo conflito e por enchentes recentes.De acordo com os informes disponíveis, disse ele, as tropas etíopes marcham em direção à capital, Mogadiscio, a partir de duas direções, e enfrenta "dura resistência" dos combatentes islâmicos e seus aliados.Civis fogem dos combates, e 35 mil novos refugiados somalis chegaram ao Quênia, disse Fall.O Qatar, que preside o Conselho neste mês, fez circular uma proposta de declaração presidencial pedindo a retirada imediata de forças estrangeiras, suspensão das hostilidades por parte da União de tribunais Islâmicos e a retomada das conversações de paz, "sem demora".Mas membros do colegiado consideram improvável que a declaração seja aprovada ainda nesta terça.O Conselho de Segurança apóia o governo somali de transição, e em seis de dezembro autorizou uma força africana a proteger os líderes enfraquecidos da administração, na cidade de Baidoa, contra as milícias islâmicas cada vez mais fortes - mas nenhum país se ofereceu para contribuir com tropas.A Somália não tem um governo funcional desde 1991, quando grupos armados derrubaram o ditador Mohamed Siad Barre e, em seguida, passaram a disputar o poder entre si. Um governo foi formado há dois anos, com apoio da ONU, mas não foi capaz de impor sua autoridade sobre o país.Até agora, o governo não foi capaz de levar sua influência para além de Baidoa, 225 km a noroeste de Mogadiscio. Até junho, o país esteve sob controle dos senhores da guerra. Desde então, a milícia islâmica dominou muito do sul da Somália.

Agencia Estado,

26 de dezembro de 2006 | 22h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.