Enviado da ONU retoma conversas com dirigentes em Mianmar

Diplomata nigeriano deve se reunir com a líder de oposição Aung San Suu Kyi nesta quarta-feira

Efe,

06 de novembro de 2007 | 06h17

O enviado especial da ONU para Mianmar, Ibrahim Gambari, continuou nesta terça-feira, 6, com sua agenda de reuniões com membros da Junta Militar e manteve um encontro com o ministro da Informação, general Kyaw Hsan. Segundo fontes das Nações Unidas, Gambari se reunirá mais tarde com o ministro de Assuntos Religiosos, general Thura Myint Maung. Mas ainda não se sabe quando ele poderá falar com o líder do regime, general Than Shwe, apesar de levar uma mensagem pessoal do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. O diplomata nigeriano, que chegou no sábado ao país, também deve se reunir na quarta-feira, em Rangun, com a líder de oposição Aung San Suu Kyi, ganhadora do Nobel da Paz. Até o momento, Gambari conversou com os ministros de Relações Exteriores, Nyan Win, e do Trabalho, Aung Kyi, que faz o contato entre o regime e Suu Kyi. Ele também se encontrou com representantes de vários grupos étnicos e da Cruz Vermelha, que solicitou à Junta Militar acesso às pessoas detidas desde 26 de setembro, quando começou a brutal repressão das manifestações contra a ditadura. Os Estados Unidos pediram aos países-membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático que suspendam suas relações financeiras com a Junta Militar, e em particular a Cingapura que deixe de ser o "santuário" econômico dos generais birmaneses. A visita de Gambari deveria ir até 8 de novembro. Mas fontes diplomáticas não descartam que ele permaneça no país mais algum tempo, se for necessário para obter "resultados concretos".

Tudo o que sabemos sobre:
MianmarprotestomongesONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.