Enviado da ONU reúne-se com governo sírio para pedir cessar-fogo

Kofi Annan está em Damasco para tentar obter uma trégua entre forças do governo e da oposição; conflito já matou 7,5 mil, segundo a ONU.

BBC Brasil, BBC

10 de março de 2012 | 08h57

O enviado especial da ONU à Síria, Kofi Annan, está reunido neste sábado com o presidente do país, Bashar Al-Assad, como parte de um esforço internacional de diplomacia para pôr fim à escalada de violência.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, disse que Annan vai pedir um cessar-fogo imediato por parte do Exército e da oposição. Mas enquanto Annan chegava à Síria, grupos de oposição disseram que novos conflitos e bombardeios foram registrados na cidade de Idlib, próximo à fronteira com a Turquia.

O enviado especial e ex-secretário geral da ONU foi recebido pelo vice-ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal Mekdad, no aeroporto, antes de ser levado ao seu hotel na capital Damascu.

A televisão estatal síria disse que o encontro entre Annan e Assad acontece em uma "atmosfera positiva".

Fim imediato da violência

De acordo com Ban Ki Moon, a tarefa de Annan é obter um fim imediato da violência, tanto por forças do governo quanto por manifestantes da oposição.

Segundo o secretário-geral, se um cessar-fogo de ambas as partes não for possível, a ONU pedirá que as tropas do governo parem de lutar primeiro, para que a oposição faça o mesmo na sequência.

O enviado especial da ONU vai se encontrar com o ministro das Relações Exteriores, Walid al-Moallem, em Damasco, e também com alguns líderes da oposição, antes de deixar o país, no domingo.

Segundo o correspondente da BBC no Líbano Jon Donnison, não está claro se Annan conseguirá se encontrar com os líderes da oposição dentro da Síria, ou se a reunião será no exterior.

A ONU também quer iniciar um diálogo entre governo e oposição, mas manifestantes dizem que são contra a ideia de se reunir com representantes do governo de Assad.

A visita de Annan coincide com um encontro de ministros das Relações Exteriores da Liga Árabe, no Cairo. Eles vão se reunir com o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov. A Rússia é um dos países que têm vetado resoluções contra o regime de Bashar Al-Assad.

No sábado, Lavrov voltou a se manifestar contra o que chamou de "interferência crassa" nos assuntos domésticos da Síria.

Além das discussões na Liga Árabe e da visita de Annan, a chefe para questões humanitárias da ONU, Valerie Amos, também está participando de negociações sobre a violência na Síria.

Amos está pedindo que o governo sírio permita que organizações de ajuda humanitária tenham acesso às regiões mais afetadas pela violência, como o distrito de Baba Amr, em Damasco. Ela disse na sexta-feira que houve um pequeno progresso nas negociações, e que uma equipe poderá obter acesso à região já na próxima semana.

Segundo a ONU, 7,5 mil pessoas morreram devido à violência na Síria, que começou em março do ano passado, quando a oposição foi às ruas para pedir mudanças no regime. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.