Enviado da ONU se reúne com líder da oposição em Mianmar

Ibrahim Gambari encerra viagem ao país nesta quinta sem acordo com representantes do governo militar

Efe,

08 de novembro de 2007 | 09h21

O enviado especial das Nações Unidas para Mianmar (antiga Birmânia), Ibrahim Gambari, se reuniu nesta quinta-feira, 8, com a líder da oposição, Aung San Suu Kyi, em uma tentativa de resolver a crise política, segundo fontes da Liga Nacional pela Democracia (LND). Suu Kyi foi escoltada pela polícia até a residência de hóspedes do governo, perto de sua casa em Rangun, na qual cumpre prisão domiciliar desde 2003 e onde, no início de outubro, já tinha se reunido com Gambari. Fontes do partido liderado por Suu Kyi disseram que Gambari, que deve encerrar nesta quinta sua visita oficial a Mianmar, se reuniu antes com três importantes membros da comissão executiva da LND, incluindo seu presidente, Aung Shwe. "As reuniões com Gambari estão acontecendo porque na LND acreditamos que são um importante passo para tentar alcançar uma reconciliação nacional", afirmou em um breve comunicado o porta-voz da legenda, Nyan Win. A fase final da rodada de contatos mantidos por Gambari, que chegou no sábado a Mianmar, ocorreu enquanto grupos de partidários da democracia faziam pequenos atos de protesto em um novo desafio à junta militar. Está previsto que Gambari conclua nesta quarta sua visita, mas não se descarta ampliá-la para tentar conseguir resultados satisfatórios dentro da missão encomendada pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. A junta militar rejeitou a proposta de Gambari de manter um encontro com Suu Kyi e o ministro do Trabalho, Aung Kyi, designado há um mês como mediador entre a líder da oposição e o regime. O diplomata nigeriano, que não foi recebido pelo chefe do governo, general Than Shwe, se reuniu com vários ministros, membros de grupos étnicos e representantes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). O organismo internacional pediu à junta o acesso às pessoas detidas a partir de 26 de setembro.

Tudo o que sabemos sobre:
Mianmar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.