Enviado de Bush promete democracia no Iraque

Zalmay Khalilzad, enviado especial do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, procurou amenizar os temores entre a oposição iraquiana, ao dizer que o governo norte-americano será um parceiro no estabelecimento de uma democracia pós-Saddam Hussein no Iraque. "Alguns dizem ser impossível a transformação do governo iraquiano numa democracia", disse Khalilzad na sessão de abertura de uma conferência entre grupos de oposição no enclave autônomo curdo do norte do Iraque. "O governo dos Estados Unidos discorda totalmente."Autoridades norte-americanas vêm dizendo que planejam estabelecer um governo militar para realizar a transição rumo a uma democracia por um período de aproximadamente dois anos, um plano que irritou os curdos, normalmente favoráveis aos EUA.Muitas figuras da oposição dizem que os planos norte-americanos aproveitarão a burocracia hoje existente, repleta de membros do Partido Baath, de Saddam Hussein, o que marginalizaria os opositores do atual regime iraquiano.Khalilzad confirmou que haveria um período de governo militar, mas insistiu que essa estrutura não permanecerá no poder "mais do que o tempo necessário para estabilizar o país".Segundo ele, os EUA não têm a ambição de governar o Iraque. "O povo iraquiano controlará as questões de seu interesse o mais rápido possível."Ele também procurou amenizar a apreensão com relação à burocracia controlada pelo Baath. "Esperamos que um Iraque livre reforme suas instituições. Ninguém quer que o estilo de Saddam prevaleça sem Saddam por aqui."Ele enfatizou que os Estados Unidos estão comprometidos em ajudar uma democracia no Iraque. "Os horrores do passado serão apenas lembranças. Um novo Iraque entrará para a família das nações."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.