Enviado de Obama pede pacto entre síria e Israel

Recebido em Damasco, Feltman defende acordo como parte de uma ampla estratégia para a região; Síria diz ainda ?testar intenções dos EUA?

AP, O Estadao de S.Paulo

08 de maio de 2009 | 00h00

O enviado do presidente Barack Obama à Síria, Jeffrey Feltman, garantiu ontem em Damasco que um acordo de paz entre sírios e israelenses é parte central da nova estratégia de Washington no Oriente Médio. Sob mediação turca, Síria e Israel negociavam informalmente um pacto até dezembro, quando a guerra na Faixa de Gaza interrompeu os contatos. "Estamos comprometidos com a diplomacia e usaremos o diálogo para fazer a situação evoluir", afirmou Feltman . Os representantes americanos foram recebidos pelo chanceler da Síria, Walid al-Moallem. O chanceler - que havia recepcionado o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, no início da semana - declarou que a Síria ainda está "testando as intenções dos americanos".A visita de Feltman, chefe da seção responsável pelo Oriente Médio no Departamento de Estado dos EUA, ocorre em meio ao lançamento de uma nova iniciativa do governo americano para fazer avançar a paz na região. Recentemente, Obama esteve com o rei da Jordânia, Abdullah, e o novo premiê de Israel, Binyamin "Bibi" Netanyahu, deve chegar aos EUA em duas semanas. Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, também se encontrará em breve com Obama.Ao contrário do governo de George W. Bush, Obama pretende investir, simultaneamente, em diferentes iniciativas de paz no Oriente Médio. "Estamos comprometidos com a paz entre árabes e israelenses em vários caminhos", declarou Feltman. Na quarta-feira, o rei da Jordânia voltou a apoiar publicamente a "abordagem combinada" defendida por Obama.Mas os planos de Washington enfrentam grandes desafios. O novo chanceler israelense, o ultradireitista Avigdor Lieberman, garantiu que o governo Bibi não colocará as Colinas de Golan, principal reivindicação síria, na mesa de negociações. Países árabes próximos dos EUA, como Arábia Saudita e Egito, ainda desconfiam do diálogo com o Irã. Diplomatas da região disseram sob anonimato que os EUA pressionam os 22 países da Liga Árabe a flexibilizar as exigências de paz com Israel. Em 2002, o bloco se comprometeu a reconhecer o país, caso Israel voltasse às fronteiras pré-1967. Obama estaria agora pressionado os países árabes a deixar de reivindicar o retorno de refugiados palestinos.Em visita à Alemanha, Lieberman foi recebido ontem pelo ministro do Interior alemão, Wolfgang Schauble, e pelo chanceler Frank-Walter Steinmeier. Ele também visitou o monumento às vítimas do Holocausto.PLANO ISRAEL-SÍRIAColinas do Golan - Ocupada por Israel na Guerra dos Seis dias (1967), região - rica em recursos hídricos - é a reivindicação número 1 de DamascoIrã - O país persa é o maior aliado da Síria na região e, atualmente, o principal inimigo de Israel. Acordo entre sírios e israelense deverá afastar Damasco de TeerãHamas e Hezbollah - Síria dá apoio financeiro e logístico aos grupos fundamentalistas que mais ameaçam Israel. Washington quer condicionar pacto ao fim da aliança com os radicais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.