Enviado do 'Estado' é ferido durante confrontos em Ramallah

Repórter acompanhava confrontos entre manifestantes e Exército quando foi atingido por lata de gás lacrimogêneo

estadão.com.br,

23 Setembro 2011 | 11h31

Atualizado às 12h24

CALÂNDIA, RAMALLAH -  O jornalista Guilherme Russo, enviado especial do jornal O Estado de S. Paulo e do portal estadão.com.br ao Oriente Médio, foi ferido nesta sexta-feira, 23, durante cobertura de confrontos entre o Exército israelense e manifestantes palestinos em Calândia, ponto de checagem na entrada de Ramallah. O jornalista passa bem.

 

Veja também:

video AO VIVO: Acompanhe os discursos na ONU

som ESTADÃO ESPN: Ouça o depoimento do jornalista

 

O incidente ocorreu no começo da tarde (horário local, 6 horas a frente do horário de Brasília) em Calândia, quando novos protestos começaram. O Exército israelense colocou 9 mil soldados e policiais na região depois de entrar em estado de alerta máximo. Jerusalém teme que uma nova onda de violência comece por conta do discurso que o presidente palestino Mahmud Abbas fará na Assembleia-Geral da ONU, em Nova York. Na fala, Abbas deverá pedir o reconhecimento do Estado palestino.

 

Russo relata que os manifestantes palestinos atacaram o posto de controle do Exército com pedras e coquetéis molotov. Os soldados responderam, segundo o jornalista, com gás lacrimogêneo e balas de borracha. "Até consegui pegar uma bala no chão, de borracha ela só tem a cobertura, na realidade", relatou.

 

Ele foi atingido na cabeça por uma lata de gás lacrimogêneo e precisou levar dois pontos. Segundo relatou, houve rápido atendimento médico no local. Calândia, na entrada de Ramallah, é um dos focos de maior tensão na região entre palestinos e o Exército de Israel.

 

Manifestações na Cisjordânia

 

Houve protestos de palestinos nesta sexta-feira em diferentes pontos da Cisjordânia. De acordo com o site do jornal israelense Yedioth Aharonot, cerca de 120 manifestantes se concentraram próximo a uma área a oeste de Ramallah e atiraram pedras contra as forças militares de Israel.

 

A Efe relata que os soldados reprimiram os manifestantes com gás lacrimogêneo e outros equipamentos adquiridos recentemente por Israel para conter uma possível onda de protestos pela apresentação da candidatura palestina à ONU. Pelo menos três pessoas ficaram feridas, entre elas um jornalista francês que inalou gás lacrimogêneo.

 

'Homens encapuzados'

 

Ainda de acordo com a Efe, homens encapuzados arremessavam pedras contra as forças israelenses em Calândia, onde o jornalista do Estado foi ferido hoje. Houve também manifestações em Bilin, palco de protestos semanais contra a construção da barreira que separa Israel da Cisjordânia. No local, de acordo com a agência, "foi registrada uma pequena concentração".

 

A polícia de fronteira de Israel deteve três palestinos em uma estrada de Jerusalém. Segundo a Efe, eles atiravam pedras contra veículos israelenses. Outros dois palestinos foram presos na Cidade Antiga de Jerusalém por "desordens", relatou a agência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.