Enviado do papa fecha seminário onde houve escândalo sexual

O emissário papal que investiga suspeitas de homossexualismo e pornografia infantil entre os estudantes de um seminário católico austríaco determinou que o estabelecimento seja fechado e reconheceu que a investigação revelou evidências ?muito dolorosas? de comportamento sexual impróprio. A decisão do bispo Klaus Kueng vem três semanas depois de sua nomeação pelo papa João Paulo II para que apurasse as denúncias de que os seminaristas colecionavam pornografia infantil e envolviam-se em práticas homossexuais.?Um novo começo é necessário?, disse Kueng a jornalistas, numa entrevista coletiva transmitida pela televisão. ?Estou fechando o seminário imediatamente?.Kueng depois afirmou que o fechamento seria ?temporário?, mas não deu um prazo para que o edifício barroco, que treina jovens para o sacerdócio há 200 anos, seja reaberto. Ele também não definiu a natureza de suas descobertas, dizendo apenas que, aparentemente, ?relações homossexuais ativas desenvolveram-se?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.