Enviado dos EUA ao Afeganistão está em estado crítico

O enviado especial dos EUA para o Afeganistão e o Paquistão, Richard Holbrooke, está em estado crítico num hospital de Washington após ter sido submetido a uma cirurgia cardíaca de emergência, segundo informações do Departamento de Estado norte-americano.

AE, Agência Estado

11 de dezembro de 2010 | 18h19

Holbrooke, 69 anos, foi levado ao Hospital George Washington na sexta-feira. O diplomata passou por uma cirurgia na manhã deste sábado. "Ele está em estado crítico e está recebendo a família", disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, P.J. Crowley, num comunicado.

O diplomata vivenciou uma rotina fatigante desde que assumiu o posto de enviado especial, no início do ano passado, viajando regularmente para Washington, Islamabad e Cabul. Ele também tentou convencer países da Ásia, do Oriente Médio e da Europa a contribuir mais com a estabilização do Afeganistão, fazendo viagens frequentes aos Emirados Árabes Unidos, à Índia e à Arábia Saudita.

Holbrooke é um dos grandes críticos do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, e dos elevados níveis de corrupção no governo afegão. As reprimendas públicas do diplomata a Karzai, mesmo antes de se juntar à administração Obama, prenunciaram as relações controversas entre Washington e Cabul nos últimos meses.

O enviado especial talvez tenha desempenhado um papel muito maior no Paquistão. Ele pressionou agressivamente no início de 2009 por um fortalecimento do governo civil em Islamabad, conduzido pelo presidente Asif Ali Zardari, e também incentivou reformas na economia local após a crise financeira de 2008, que obrigou o Paquistão a aceitar ajuda do Fundo Monetário Internacional.

Durante sua carreira, Holbrooke esteve no Vietnã, durante a década de 1960, e participou da delegação dos EUA que foi a Paris e assinou a trégua com Hanói, pondo fim à guerra. Ele também supervisionou as negociações em Dayton, Ohio, que formalizaram em 1995 o acordo de paz que encerrou a guerra dos Bálcãs. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAHolbrookeinternado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.