Stern Matty/EFE
Stern Matty/EFE

Enviado dos EUA chega a Israel para tentar mediar cessar-fogo

O subsecretário para o tema Hady Amr se reunirá com autoridades de ambos os lados em Tel-Aviv

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2021 | 23h08

TEL AVIV - O subsecretário adjunto para Assuntos Palestinos e Israelenses do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Hady Amr, chegou a Tel-Aviv nesta sexta-feira, 14, como confirmou a Embaixada dos EUA em Israel em mensagem no Twitter. Enviado pelo presidente Joe Biden, Amr tem a missão de tentar mediar um cessar-fogo na região e deve se reunir com autoridades do lado palestino e israelense neste sábado. 

O Departamento de Estado dos EUA se recusou a especificar quem Amr irá encontrar. Em uma entrevista coletiva, uma das porta-vozes do departamento, Jalina Porter, se limitou a dizer que Washington continua profundamente preocupada com a violência. Porter reiterou o apoio do país ao direito defesa de Israel e condenou os mais recentes ataques com foguetes do Hamas

Os Estados Unidos não dialogam com o Hamas, organização que classificam como terrorista. O líder da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, não tem controle sobre o grupo ou sobre a Faixa de Gaza. Por isso, há expectativa de que Amr converse com oficiais de segurança do Egito, país que tem sido o interlocutor habitual na conclusão de rodadas de guerra entre Israel e Hamas, incluindo nos dois últimos grandes confrontos, em 2008 e 2014.

Na quinta-feira, o Egito despachou oficiais de segurança para Tel-Aviv e Gaza para iniciar as discussões, de acordo com o jornal estatal Al-Ahram e a emissora Al-Arabiya. Israel teria recusado “todas as iniciativas e mediações” propostas pela delegação egípcia para uma trégua. 

A visita de Amr acontece no quinto dia da atual escalada de violência na área, onde o Hamas continua disparando foguetes e Israel segue bombardeando alvos do movimento islâmico. Os ataques de Gaza na quinta-feira atingiram quase exclusivamente as comunidades israelenses vizinhas, contornando as principais cidades do país. Os militares israelenses visaram fábricas de armas, túneis contendo equipamento militar e dezenas de "forças militares navais" do Hamas.

A escalada militar já deixou pelo menos 126 mortos em Gaza e 8 em Israel. O Exército israelense insistiu na quinta-feira que pretende realizar uma ofensiva terrestre. "Estamos preparados para isso", disse um porta-voz. "Estamos atacando e surpreendendo o Hamas o tempo todo. Continuaremos até trazer paz e segurança de longo prazo", anunciou o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, durante uma visita às forças mobilizadas na fronteira. /EFE e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.