Enviado dos EUA volta a Honduras para retomar diálogo

O subsecretário adjunto para o Hemisfério Ocidental do governo dos Estados Unidos, Craig Kelly, chegou hoje a Honduras para se reunir com representantes do presidente deposto, Manuel Zelaya, e do governo de facto, liderado por Roberto Micheletti. É a terceira viagem de Craig Kelly a Tegucigalpa em um mês. Hoje, o presidente do Congresso de Honduras, José Alfredo Saavedra, convocou os deputados para votar, no dia 2 de dezembro, sobre a restituição ou não do presidente deposto, Manuel Zelaya.

AE-AP, Agencia Estado

17 Novembro 2009 | 19h04

"Recebemos os relatórios da Comissão Nacional de Direitos Humanos e da Promotoria Geral e, na próxima semana, serão entregues os relatórios do Ministério Público e da Suprema Corte de Justiça", disse Saavedra à emissora local de rádio "HRN".

Enquanto isso, a visita do secretário norte-americano busca destravar o processo de diálogo, segundo informou a porta-voz da Embaixada dos EUA, Ledy Pacheco. A resolução do impasse é crucial para a legitimidade das eleições presidenciais marcadas para 29 de novembro em Honduras.

Deposto em 28 de junho e expulso do país, Zelaya voltou em segredo e desde o dia 21 de setembro está abrigado na embaixada do Brasil em Tegucigalpa. O líder deposto afirma que sua volta é essencial para se encerrar a crise, mas nesta semana chegou a dizer que desiste de retornar à presidência, em meio às divergências com rivais políticos.

Em carta enviada no domingo ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, Zelaya disse que continua a ser o verdadeiro presidente de Honduras até cumprir seu mandato de quatro anos, que acabará em 27 de janeiro de 2010.

Negociadores de Zelaya firmaram um acordo com negociadores de Roberto Micheletti. Zelaya, porém, descartou posteriormente o pacto, afirmando que era essencial que ele primeiro voltasse ao poder, para então se formar um governo de união.

Mais conteúdo sobre:
Honduras crise Congresso EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.