Enviado especial da ONU no Níger é seqüestrado

Nações Unidas denunciam desaparecimento de diplomata canadense; grupo dissidente assume autoria do ataque

Reuters e Associated Press,

16 de dezembro de 2008 | 07h41

A ONU denunciou na segunda-feira o desaparecimento de seu enviado especial para o no Níger, o diplomata canadense Robert Fowler, de quem a organização não recebia notícias desde o fim de semana. O porta-voz da ONU Farhan Haq disse que as autoridades do país comunicaram às Nações Unidas que o veículo de Fowler, de 64 anos, foi encontrado abandonado em uma localidade 48 quilômetros ao norte de Niamey, a capital do país. Nesta terça-feira, 16, o grupo dissidente rebelde Tuareg assumiu a autoria do seqüestro. Segundo comunicado postado pelo grupo em seu site, os homens promoveram uma operação na região de Tillabery, onde detiveram quatro pessoas, incluindo o diplomata canadense. Ainda não há confirmação da autenticidade da mensagem. O porta-voz destacou que o desaparecimento do diplomata, de seu ajudante e do motorista do veículo aconteceu enquanto o enviado especial mantinha contatos com funcionários do governo nos arredores da capital.  O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que o pessoal da organização está se esforçando ao máximo para esclarecer o ocorrido. "Preocupa-me o que aconteceu. Fizemos tudo o que era possível para encontrar seu paradeiro", respondeu Ban à imprensa. Ban nomeou Fowler enviado para o Níger em julho deste ano, para que ajudasse a estabilizar o país, que enfrenta uma rebelião na região norte.

Tudo o que sabemos sobre:
NígerÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.