Enviado iraniano qualifica negociações em Moscou como construtivas

No segundo dia de negociações com o governo russo, o representante iraniano em Moscou, Ali Hosseinitash, qualificou como "construtivas" as reuniões mantidas com autoridades do país. Segundo ele, o diálogo oferece a esperança de um acordo. Entretanto, alguns russos manifestaram temores de que o Irã poderia estar se aproveitando da proposta de enriquecimento de urânio do Kremlin para ganhar tempo e evitar sanções internacionais.A proposta russa consiste em permitir que o Irã enriqueça seu urânio em usinas estabelecidas na Rússia para sepultar os temores de que Teerã possa aproveitar o processo para produzir material para uso em armas atômicas.A oferta russa conta o com o apoio dos Estados Unidos e da União Européia (UE). Os EUA acusam o Irã de desenvolver em segredo um programa nuclear bélico. Teerã assegura que suas usinas atômicas têm fins exclusivamente pacíficos de geração de energia elétrica."Nós acreditamos que as negociações estejam em um caminho positivo e construtivo", disse Hosseinitash durante entrevista concedida à televisão estatal iraniana ao deixar Moscou depois de dois dias de reuniões. Segundo ele, Moscou e Teerã concordaram em dar seqüência ao diálogo."Existem elementos nessas negociações que nos dão a esperança de chegar a um acordo", informou a agência de notícias Interfax citando palavras de Hosseinitash, subsecretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã.Os dois dias de negociações terminaram sem nenhum progresso palpável. "Eu não usaria o termo fracasso nem diria que houve algum revés, pois as negociações ainda não foram concluídas", declarou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, em entrevista a uma emissora local de televisão.Serguei Kiriyenko, chefe dos negociadores russos, deverá viajar ao Irã na quinta-feira para novas reuniões com as autoridades iranianas. "A Rússia oferecerá ao Irã tudo o que estiver a seu alcance para que essa situação seja solucionada de forma pacífica e construtiva", declarou.A oferta russa é vista com a última oportunidade para que o Irã atenue os temores internacionais com relação a seu programa nuclear. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), subordinada à Organização das Nações Unidas (ONU), deverá reunir-se em 6 de março para discutir novamente o programa nuclear iraniano.Os EUA pressionam para que a AIEA denuncie o Irã ao Conselho de Segurança (CS) da ONU, o que abriria o caminho para possíveis sanções contra Teerã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.