Enviados pressionam Taylor; bombardeios matam 9 em Monróvia

Em meio a bombardeios que deixaram pelo menos nove mortos nesta sexta-feira em Monróvia, líderes da África Ocidental dirigem-se à sangrenta capital da Libéria para pressionar o presidente Charles Taylor a renunciar, como havia prometido, e deixar o arruinado país. Os bombardeios em uma favela de Monróvia mataram quatro crianças e cinco adultos, depois de uma dia de relativa calma na cidade semidestruída.As bombas lançadas por morteiros no combate pela ocupação de uma estratégica ponte obrigou os moradores das imediações e fugirem em busca de abrigo, enquanto combatentes armados de AK-47 ganhavam as ruas. A Old Birdge tornou-se o centro dos combates em Monróvia, em meio à tentativa dos rebeldes de ocuparem a cidade a partir do porto local. Insurgentes e forças governamentais se atribuem mutuamente a responsabilidade pelo retorno às hostilidades. A viagem dos líderes oeste-africanos segue-se à declaração feita por eles na quinta-feira em Acra, a capital de Gana, de que enviariam tropas à Libéria na segunda-feira e que Taylor, acusado pela ONU por crimes de guerra, deixaria o país três dias depois.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.