Enxurrada inunda terceira maior cidade da Austrália

Moradores de Brisbane, a terceira maior cidade da Austrália, usaram na segunda-feira sacos de areia para proteger suas casas da inundação que já paralisou a mineração de carvão no nordeste do país e agora ameaça o turismo.

MICHAEL PERRY, REUTERS

10 de janeiro de 2011 | 09h21

A primeira-ministra Julia Gillard disse que as enchentes não devem afetar o plano de retomada do superávit orçamentário em 2012/13, mas o J.P. Morgan previu que o desastre afetará o crescimento neste ano e pode adiar um novo aumento nas taxas de juros.

As inundações no Estado de Queensland, as piores em 50 anos, chegam a cobrir uma área do tamanho da França e Alemanha juntas. Seis pessoas já morreram, e dezenas de cidades ficaram total ou parcialmente submersas. Há previsão de mais chuvas nesta semana.

A polícia recomendou que as pessoas evitem viagens pelas rodovias na região de Brisbane, para deixar as estradas livres para quem precisa fugir.

A localidade de Toowoomba, a oeste da capital estadual, ficou coberta por dois metros de água e lama. Duas pessoas morreram ao serem arrastadas pela enxurrada.

Em Brisbane, cidade com 2 milhões de habitantes, moradores de áreas baixas receberam sacos de areia para proteger suas casas, e foram alertadas de que as inundações podem se agravar na terça e quarta-feira.

Autoridades turísticas do Estado disseram que o setor pode ser afetado, mas que é cedo para quantificar o impacto. O país já vem perdendo visitantes devido à valorização do dólar australiano.

As inundações já causaram prejuízos estimados em 6 bilhões de dólares, e economistas dizem que a inflação pode aumentar devido à pressão sobre os alimentos. O setor de extração de carvão, que movimenta 20 bilhões de dólares por ano no Estado, praticamente parou.

"Com mais chuva caindo, pode levar meses até que as águas recuem e a extensão dos danos à infraestrutura essencial seja conhecida", disse o economista-chefe do J.P. Morgan, Stephen Walters.

O banco reduziu na segunda-feira sua previsão de crescimento do PIB australiano, de 3,7 para 3,3 por cento, e elevou a previsão de inflação de 3,2 para 3,8 por cento.

(Reportagem adicional de Rob Taylor em Canberra)

Tudo o que sabemos sobre:
AUSTRALIACHUVAINUNDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.