James Ross/EFE
James Ross/EFE

Epicentro da pandemia na Austrália registra primeiro dia sem mortes por covid-19 em dois meses

Com a estabilidade na queda do número de novos casos, medidas de distanciamento social foram afrouxadas no Estado de Victoria

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2020 | 04h14

SYDNEY  - Victoria, segundo Estado mais populoso da Austrália e epicentro do novo coronavírus no país, registrou nesta terça-feira, 15, o primeiro dia sem mortes por covid-19 em dois meses. 

O Estado de Victoria confirmou 42 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, um leve aumento em relação às infecções detectadas no dia anterior. O número é bem menor que os 700 casos diários que o Estado registrou no pico dos contágios, em agosto.  

Os dados apontam que o lockdown imposto para quase 5 milhões de pessoas conseguiu conter o avanço do vírus. 

Melbourne, a segunda cidade mais populosa da Austrália, está em lockdown até 28 de setembro. Mas com a estabilidade na queda do número de novos casos, algumas restrições foram afrouxadas na segunda-feira, 14, permitindo que pessoas deixassem suas casas por períodos mais longos para se exercitarem. O toque de recolher também foi encurtado. 

Victoria, onde vive um quarto da população da Austrália, registra 75% do total de casos de coronavírus do país (26.700) e 90% dos óbitos (816).

Com a queda no número de novos casos de covid-19, o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, voltou seus esforços para a recuperação econômica, anunciando uma série de políticas de incentivo para redução do preço do gás no intuito de estimular a fabricação de produtos. 

"No que diz respeito à proteção de vidas e fontes de renda, estamos nos saindo melhor que quase todos os outros países desenvolvidos do mundo", disse Morrison em um discurso feito em Newcastle. 

"Se nos fecharmos, não vamos estar vivendo com o vírus, o vírus vai estar nos impedindo de viver."/REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.