Epidemia de cólera no Haiti teve origem em base nepalesa, aponta relatório

Despejo de feses no rio Artibonite espalhou a doença para várias áreas do país, diz o documento

estadão.com.br

07 de dezembro de 2010 | 15h33

PARIS - A epidemia de cólera que assola o Haiti desde outubro teve origem no acampamento dos soldados nepaleses da Organização das Nações Unidas (ONU) que atuam no local, indica um relatório elaborado por um epidemiólogo enviado ao país caribenho pela França, informa a agência de notícias AFP.

 

Veja também:

linkMortes por cólera no Haiti chegam a mais de 2 mil

 

O especialista, Renaud Piarroux, realizou uma inspeção no Haiti durante o mês de novembro e concluiu que a bactéria causadora da doença chegou do exterior e se disseminou na base mantida pelo Nepal.

 

Bernard Valero, porta-voz do Ministério de Exteriores do Haiti, não se pronunciou sobre as conclusões do relatório, mas confirmou que a chancelaria recebeu uma cópia do mesmo, que será enviada a investigadores da ONU.

 

"O foco infeccioso se originou no campo dos nepaleses", localizado em Mirebalais, perto do rio Artibonite. "O ponto do início da epidemia foi localizado com precisão", indica a fonte que teve acesso ao relatório. O documento foi elaborado a pedido do Ministério da Saúde da França.

 

"A explicação mais lógica é a introdução massiva de material fecal no rio Artibonite de uma só vez. O único elemento ausente é a comprovação por amostras de que os nepaleses estão com a bactéria", acrescentou. A missão nepalesa desmentiu várias vezes tais acusações.

 

A epidemia de cólera já matou mais de 2 mil pessoas no Haiti, sendo mais de 300 na capital, Porto Príncipe. Desde o fim de outubro, quando foram registrados os primeiros casos da doença, 90 mil pessoas foram infectadas, segundo um novo balanço anunciado nesta terça.

Tudo o que sabemos sobre:
HaiticóleraONUepidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.