Epidemia de dengue leva Paraguai a suspender cirurgias

Os hospitais públicos do Paraguai suspenderam por tempo indeterminado as cirurgias para prestar atenção prioritária aos mais de 13 mil doentes com dengue. A doença já causou 18 mortes no país este ano, informou o governo. "A partir de quinta-feira não haverá cirurgias porque todas as macas disponíveis nos hospitais estarão à disposição dos pacientes com dengue", disse Edgar Giménez, vice-ministro de Saúde Pública.

AE, Agência Estado

30 Março 2011 | 14h34

Segundo ele, após os registros de mortes, a população passou a cooperar com as autoridades para manter limpas suas residências, retirando lixo e eliminando a água parada, onde o mosquito Aedes aegypti se reproduz. As mortes foram consequência do tipo 2 da doença, o hemorrágico. Além disso, a quantidade de doentes pela dengue clássica supera os 13 mil.

O Paraguai possui um clima subtropical, em geral com chuvas breves mas habituais, causando alta umidade, situação propícia no solo para a reprodução não só do Aedes aegypti mas também de outros, como o anófeles, transmissor da malária.

Os sintomas da dengue são fortes dores na cabeça e nas articulações, náuseas, vômitos e diarreias. "Devemos admitir que o Ministério de Saúde Pública está fazendo grandes esforços para que esta situação não se descontrole", disse Giménez, confirmando que nas últimas duas semanas está havendo uma convocação pública para a contratação de mais de dois mil médicos e enfermeiras.

A ministra da Saúde, Esperanza Martínez, acrescentou que "para nós é tão doloroso que morram 18 ou somente um indivíduo, porque significa que não foram cumpridas as indicações de prevenção". As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.