AP Photo/Dolores Ochoa
AP Photo/Dolores Ochoa

Equador começa a exigir antecedente criminal de imigrantes venezuelanos que chegarem ao país

Medida acompanha pacote de endurecimento de medidas migratórias de Quito após assassinato de mulher grávida no sábado por agressor estrangeiro, que causou ondas de protestos

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2019 | 14h30

QUITO - O Equador anunciou nesta segunda-feira, 21, o começo da exigência de certificado de antecedentes criminais aos venezuelanos que queiram ingressar ao país. No domingo 20, o presidente Lenín Moreno havia anunciado medidas para endurecer a política migratória de Quito, que recebeu mais de 1,2 milhão de venezuelanos entre 2014 e 2018 e outorgou 97 mil pedidos de vistos.

“A partir de hoje, e tendo em vista que o governo venezuelano se separou da comunidade andina, será exigido para todos os imigrantes da Venezuela a apresentação do histórico judicial apostilado”, disse o vice-presidente Otto Sonnenholzner em anúncio veiculado em cadeia nacional de rádio e televisão.

A medida vem após o assassinato de uma mulher grávida por um venezuelano, já preso pela polícia, em Ibarra no sábado 19. Na cidade, no dia seguinte, ocorreram protestos contra a presença de estrangeiros. A população desalojou venezuelanos de hotéis, fazendas e parques onde dormiam, queimaram pertences e perseguiram os imigrantes pedindo que saíssem da cidade.

Sobre o episódio, o presidente Lenín Moreno afirmou que o governo responderá “com firmeza” e o fato de o agressor ser estrangeiro poderia provocar uma generalização que “só trará mais violência”, advertiu, antes de lembrar que o Equador é um país de imigrantes.

Diante da diáspora de venezuelanos, que fogem da crise política e econômica de Caracas, o governo equatoriano costumava pedir apenas o registro de identidade para permitir o ingresso de imigrantes dessa nacionalidade.

O vice-presidente adicionou que os controles migratórios “se fortalecerão” mediante um registro para conhecer com “maior precisão” a situação dos venezuelanos que estejam no Equador, mas criticou a recusa de Caracas em fornecer dados sobre os seus cidadãos. “Esgotamos todos os esforços, mas a Venezuela se nega a entregar as bases de dados que nos permitam verificar a informação de quem chega ao país”, se manifestou. O governo estima que em seu território permanecem 300 mil venezuelanos refugiados.

Moreno anunciou pelo Twitter outras medidas de endurecimento. “Determinei a composição imediata de brigadas para controlar a situação legal dos imigrantes venezuelanos nas ruas, nos locais de trabalho e na fronteira", publicou, ainda sem divulgar detalhes. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.