Equador confisca emissoras de TV e rádio

O governo equatoriano confiscou hoje três canais de televisão, de duas emissoras, e uma emissora de rádio, em Quito e Guayaquil. A administração federal argumenta que busca cobrar dívidas de um banco fechado há dez anos, cujos principais acionistas seriam os donos desses veículos de comunicação. O governo do Equador informou que além dos quatro canais de televisão e da emissora de rádio, foram confiscadas 195 empresas agrícolas, comerciais, de seguros e de construção civil, além de bens como iates e aviões, todos vinculados ao caso do Filanbanco, dos irmãos William e Roberto Isaías Dassum. Os dois irmãos fugiram do Equador em 2000 e atualmente vivem em Miami, nos Estados Unidos.O empresário Estéfano Isaías, irmão dos ex-banqueiros, apresentou-se como proprietário da TC Televisión, Cable Noticias e TC Radio, enquanto Alvaro Dassum, primo, disse que é dono da Gamavisión. Os dois negaram qualquer vínculo empresarial com William e Roberto Isaías Dassum.Alvaro Dassum, que é presidente da Gamavisión, disse: "Queremos denunciar que nesta madrugada um piquete de policiais forçou a segurança da Gamavisión em Quito e ocupou suas instalações, os funcionários da AGD a mando de Robert Andrade nos entregaram uma resolução administrativa informando sobre o confisco dos bens desse meio." "Se pretende cobrar supostas dívidas do Filanbanco com a AGD - a Gamavisión não tem nada a ver com o Filanbanco", garantiu Dassum. O presidente do canal estatal, Enrique Arosemena, notificou o confisco aos diretores da TC Televisión. As instalações da emissora nas duas cidades seguem cercadas por um forte contingente policial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.