Facundo Arrizabalaga/Efe
Facundo Arrizabalaga/Efe

Equador diz ter encontrado 'escuta' em embaixada de Londres

Microfone estava em escritório da embaixadora, origem do objeto ainda não foi revelada

O Estado de S. Paulo,

03 de julho de 2013 | 04h38

QUITO - Um microfone escondido foi encontrado na Embaixada do Equador em Londres, onde o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, está sendo abrigado, disse o ministro de Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño.

O ministro afirmou que a origem da "escuta" será revelada nesta quarta-feira, 3, e explicações do país envolvido serão exigidas. Ele não entrou em detalhes.

O microfone foi encontrado em uma operação de rotina antes de sua visita a Londres em 16 de junho, disse a repórteres. A escuta estava no escritório da embaixadora, Ana Alban. Assange vive e trabalha em uma outra sala da embaixada.

"Lamentamos informar que descobrimos um microfone escondido em nossa embaixada em Londres...Não denunciei isso à época porque não queria que o tema da nossa visita a Londres fosse confundido com esse assunto", disse Patiño, que esteve, durante seu tempo em Londres, com o secretário de Relações Exteriores britânico, William Hague, para discutir o caso Assange.

O ministério das Relações Exteriores britânico se recusou a comentar imediatamente sobre as alegações e o porta-voz do primeiro-ministro David Cameron disse que ele não faz comentários sobre questões de segurança.

O ministro ressaltou que não estava insinuando que a escuta estava ligada a série de acontecimentos envolvendo Edward Snowden, que pediu asilo no Equador. O ex-téncino da CIA é procurado pelos Estados Unidos sob a acusação de espionagem por revelar informações de um programa de vigilância dos EUA.

"Lamentamos dizer isso, mas este é outro exemplo de uma perda de ética a nível internacional nas relações entre os governos", afirmou Patiño./ REUTERS e DOW JONES

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorLondresRicardo Patiño

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.