Equador: fracassa resgate do navio Jéssica

Fracassa a primeira tentativa de resgatar o navio Jéssica, encalhado e parcialmente submerso há dez dias em frente a Ilha de San Cristóban, no Equador, em virtude de força da maré. Na operação, seis marinheiros equatorianos ficaram feridos. ?Teremos que tentar novamente?, anunciou o comandante da segunda zona naval do Equador, capitão Francisco Andrade. Na tentativa de resgate, os marinheiros conseguiram colocar dois guindastes, unidos com cabos ao rebocador ?Pacific?.Contudo, na manobra, seis homens ficaram levemente feridos quando uma onda removeu violentamente os dois cabos. O capitão que comanda a operação considera que o resgate do navio é perigoso mais indispensável para evitar que haja mais vazamentos de óleo diesel. Pelo menos quatro ilhas do arquipélago de Galápagos, no Oceano Pacífico, foram contaminadas até o momento pelo vazamento de aproximadamente 670 mil litros do combustível. A embarcação está encalhada a apenas 800 metros da praia em frente ao Puerto Baquerizo Moreno. O barco tem um ângulo de inclinação de 48 graus com relação à linha do mar e sua estrutura está se deteriorando com as fortes ondas, que chegam a atingir dois metros de altura. A preocupação ainda existe porque o vento e as ondas têm espalhado a mancha negra. Além disso, os 250 mil galões de combustíveis que ainda estão na embarcação, podem provocar ainda mais estragos. O arquipélago de Galápagos, com 13 ilhas maiores e 40 ilhotas e penhascos, está no Oceano Pacífico, sobre a linha do Equador. No local, vivem centenas de animais e plantas únicas no planeta, que evoluíram durante séculos livres da depredação humana. O capitão do barco, Tarquino Arévalo, assumiu ontem ?sem reservas? a responsabilidade pelo acidente. ?Não sabia que esta rocha estava naquele local. Eu tenho toda a culpa porque fiz uma manobra equivocada?, disse Arévalo antes de se apresentar ao juiz que comanda o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.