AFP PHOTO / POOL / JOHN STILLWELL
AFP PHOTO / POOL / JOHN STILLWELL

Equador garante que seguirá dando asilo a Julian Assange

Ex-fundador do WikiLeaks está desde 2012 asilado na embaixada do Equador em Londres

O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2017 | 06h02

QUITO - O Equador continuará oferecendo asilo ao fundador de WikiLeaks, Julian Assange, enquanto considerar que "seus direitos estão em perigo", informou nesta quarta-feira, 13, o Ministério das Relações Exteriores.

+ Moreno diz que Assange é um hacker, mas pode ficar em embaixada

"O Equador manterá a proteção enquanto continuem a pôr em perigo seus direitos humanos", diz um comunicado do Ministério, em que se depara com todos os tipos de informações e rumores ao longo do dia sobre a retirada dessa proteção.

Assange é um refugiado na embaixada do Equador em Londres, sob condição de asilado, desde 2012, pois Quito considera que sua vida estava em perigo depois de ser requerido pela Justiça sueca por supostos crimes sexuais.

Embora, em maio passado a Suécia tenha retirado as acusações, o Equador considera ainda que Assange poderia ser extraditado para os Estados Unidos, onde seria julgado por espionagem e traição por causa das suas publicações no WikiLeaks.

+ 5 possibilidades que restam a Assange após arquivamento de seu processo por estupro

A Chancelaria equatoriana pediu ao Reino Unido que garanta sua saída segura para o Equador, com o objetivo de conceder asilo no país, embora Londres se recusa a fazer isso.

Hoje, diante de rumores sobre uma possível mudança de política, o Ministério equatoriano reiterou que "não há nenhuma mudança no status de asilo para Julian Assange". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.