Equador nega envolvimento de Obama com motim

O ministro das Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño, disse hoje crer firmemente que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não teve "nada a ver" com o levante policial ocorrido na semana passada. Porém, Patiño acrescentou que desconfiava "dos grupos do poder" no país norte-americano. De Caracas, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, atribuiu a revolta aos EUA, enquanto o líder boliviano, Evo Morales, implicou o Departamento de Estado norte-americano.

AE-AP, Agência Estado

05 Outubro 2010 | 14h52

"Creio firmemente que o senhor Obama não terá tido nada a ver. Confio que suas principais autoridades tampouco", disse o chanceler equatoriano a correspondentes. "Não posso dizer o mesmo dos grupos de poder que há nos Estados Unidos e que não são controlados pelo governo, e não posso dizer o mesmo de outro tipo de pessoas", afirmou ele, sem fazer qualquer identificação.

O motim de policiais, ocorrido em 30 de setembro, deixou o presidente equatoriano, Rafael Correa, preso em um hospital durante horas até ser resgatado pelo Exército. Correa assumiu em 2007, antecipou eleições, foi reeleito e agora tem mandato até 2013. O chanceler pediu unidade aos equatorianos "para sustentar a estabilidade desse país e do projeto democrático".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.