Equador pede explicações à Colômbia por mortes de civis

O Equador pediu formalmente à Colômbia que esclareça as circunstâncias da morte de dois de seus cidadãos em um povoado na fronteira com a Colômbia e manifestou preocupação, informou em Quito a chanceler equatoriana María Fernanda Espinosa.Os equatorianos Jorge Enrique Montenegro e Edison Andrés Chingal morreram na quinta-feira da semana passada na localidade de El Tambillo, aparentemente "durante um enfrentamento entre forças irregulares colombianas e o Exército da Colômbia", explicou a ministra das Relações Exteriores durante entrevista coletiva."Estamos pedindo explicações à Colômbia sobre esse assunto que muito nos preocupa", declarou.Um comunicado divulgado pela chancelaria indicou que o Equador "encontra-se à espera das informações solicitadas à Colômbia" com o objetivo de esclarecer o que aconteceu com os dois equatorianos.De acordo com familiares, as duas vítimas dos confrontos eram cidadãos comuns, sendo que um era carpinteiro e o outro, pedreiro.O Equador também apresentou um protesto "enérgico" contra a Colômbia por causa da retomada da fumigação de herbicidas na fronteira e informou que empreenderá uma campanha diplomática em busca de apoio internacional.Em visita a Quito, o chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, manifestou solidariedade ao Equador "por causa das conseqüências nefastas do glifosato sobre os seres humanos".Segundo Espinosa, a fumigação de substâncias tóxicas sobre as plantações "não é um problema bilateral" entre Equador e Colômbia. "Parece-me que este é um problema de direitos humanos, de segurança ambiental, de saúde pública. Portanto, é um tema que deve importar e interessar à comunidade internacional", argumentou.De acordo com ela, o Equador promoverá "uma grande campanha em escala internacional em busca de apoio de países latino-americanos e de outras regiões do mundo que queiram unir-se ao clamor do Equador por causa das agressões" atribuídas à Colômbia.O governo equatoriano tem denunciando reiteradamente os efeitos negativos das fumigações aéreas colombianas sobre os povoados, os animais e os cultivos lícitos em seu território.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.