Equador: reforçada segurança do presidente do Congresso

A polícia do Equador redobrou a vigilância da residência do presidente do Congresso, Jorge Cevallos, na cidade litorânea de Manta, após uma advertência sobre um possível atentado, confirmou no domingo, 1, o próprio legislador.Grupos especializados da polícia "detectaram entre duas e quatro pessoas, estranhas na cidade de Manta, que estariam aqui para cumprir essa incumbência", indicou Cevallos à emissora de TV Teleamazonas.O presidente do Congresso equatoriano comentou em sua entrevista à Teleamazonas que pensou na possibilidade de renunciar, principalmente por causa de um pedido de sua família e em função da complexa situação política no país."A alternativa que me resta é analisar uma renúncia, porque eu não posso ficar submetido e contra a parede, diante de um jogo de insultos de um lado e do outro", afirmou.Se não renunciar, Cevallos não descarta a possibilidade de suspender as sessões ordinárias da Câmara durante a próxima semana, com o objetivo de dar um tempo para que o Tribunal Constitucional discuta o imbróglio jurídico surgido por causa da destituição de 57 deputados opositores, por ordem do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE).Cevallos assegurou que o regulamento do Congresso permite a suspensão de três sessões consecutivas do organismo.A tensão política surgiu há cerca de três semanas, quando uma maioria opositora na câmara decidiu "substituir" o presidente do TSE, Jorge Acosta, por ter aceitado um referendo sem consultar o Congresso sobre um estatuto para a instalação e funcionamento da Assembléia Constituinte.A consulta, proposta pelo presidente do Equador, Rafael Correa, foi convocada para o dia 15 de abril e nela os eleitores devem decidir se querem uma Assembléia Constituinte para redigir uma nova Carta Magna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.