Equador também fala em reatar laços diplomáticos

QUITO

AFP, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2010 | 00h00

Após Venezuela e Colômbia normalizarem relações, é a vez de o Equador falar em reaproximação. Ontem, o ministro equatoriano da Segurança, Miguel Carvajal, disse que ambos os países "coincidem plenamente na vontade política de avançar em direção à normalização plena das relações". A crise entre Bogotá e Quito, no entanto, é mais grave.

Há dois anos, a Colômbia bombardeou o território equatoriano matando 20 pessoas, entre elas o número 2 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Raúl Reyes. A ação causou o rompimento dos laços entre os dois países, em 2008.

Esta semana, o presidente equatoriano, Rafael Correa, condicional a reaproximação à entrega de detalhes sobre o ataque. Após sua posse como novo presidente colombiano, Juan Manuel Santos entregou à Justiça equatoriana um novo relatório extraído dos computadores apreendidos no bombardeio.

Para Carvajal, o surgimento de novas evidências sobre a presença das Farc no Equador não deve interferir na decisão de reaproximação. "No Equador, os processos políticos e jurídicos são independentes e o processo de reaproximação seguirá seu próprio curso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.