Lens Young Homsi/AP
Lens Young Homsi/AP

Equipe da ONU vai à Turquia investigar uso de armas químicas na Síria

Grupo montado por Ban Ki-moon foi impedido de entrar em território sírio pelo governo de Assad

O Estado de S. Paulo,

27 Junho 2013 | 14h20

AMSTERDÃ - Inspetores designados pela ONU para investigar denúncias de armas químicas na Síria, que foram impedidos de entrar no país pego governo, estão na Turquia para reunir informações sobre o possível uso do armamento na guerra civil síria, disseram autoridades nesta quinta-feira, 27.

Os integrantes da equipe montada pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, estavam a espera em Chipre desde abril, incapazes de entrar na Síria enquanto os governos ocidentais acusavam as forças do presidente Bashar Assad de ataques com armas químicas.

Eles foram enviados à Turquia nesta semana e o chefe da comitiva, o cientista sueco Ake Sellstrom, tem reunião prevista com o ministro das Relações Exteriores turco, Ahmet Davutoglu, para esta quinta-feira, disse um alto funcionário turco à Reuters.

O governo sírio e os rebeldes em conflito acusam um ao outro de usar agentes químicos letais, incluindo o gás sarin, nos dois anos de conflito.

Mais de 100 mil pessoas foram mortas desde que a luta começou em março de 2011, no maior e mais violento dos últimos levantes árabes, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, sediado na Grã-Bretanha.

Da Turquia, a equipe não será capaz de coletar amostras de solo ou evidências científicas necessárias para comprovar o uso de produtos químicos, mas poderia compilar dados de inteligência e entrevistar ou tirar amostras de sangue de testemunhas ou vítimas de supostos ataques. Os governos ocidentais estão frustrados pela missão da ONU não ter conseguido fazer progressos na investigação das alegações sobre armas químicas, disse um diplomata à Reuters./ REUTERS

 
Mais conteúdo sobre:
SíriaONUarmas químicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.