Equipe da OPAQ mostra confiança sobre missão na Síria

O grupo de especialistas que está supervisionando a destruição do programa de armas químicas da Síria disse que deve atender ao prazo dado para desativar os equipamentos de produção do regime.

AE, Agência Estado

17 de outubro de 2013 | 09h25

Os 27 inspetores que se encontram atualmente na Síria já visitaram 11 das mais de 20 instalações de armas químicas divulgadas pelo regime do presidente sírio, Bashar Assad, segundo a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).

Os oficiais da OPAQ entraram na Síria em 1º de outubro com a cooperação de autoridades sírias e com o objetivo de verificar os dados fornecidos pelo regime sobre armas químicas até o dia 1º de novembro. A eliminação de todo o equipamento de produção deve ocorrer no mesmo prazo.

Em meados de outubro, cerca de 50% do trabalho já foi feito, segundo oficiais da organização. "O que podemos dizer neste momento é que estamos no caminho certo e que o trabalho está ocorrendo de maneira tranquila", disse Malik Ellahi, conselheiro político do diretor geral da OPAQ.

Além de vedar e marcar as armas químicas nas 11 instalações visitadas, os especialistas da OPAQ começaram a supervisionar as atividades de destruição em seis desses locais.

Quando esta primeira fase for concluída, a OPAQ enfrenta a tarefa ainda mais elaborada de supervisionar a destruição de todo o arsenal químico da Síria, estimado em cerca de 1.000 toneladas, no primeiro semestre de 2014.

A OPAQ está realizando a missão na Síria em conjunto com a Organização das Nações Unidas, que está fornecendo segurança, transporte e outros apoios. O secretário- geral da ONU, Ban Ki-moon, nomeou na quarta-feira o diplomata holandês Sigrid Kaag para chefiar a missão conjunta. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
síriaarmas químicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.