Equipe de resposta rápida atuará em novos casos de ebola

O governo dos EUA vai enviar uma equipe de rápida resposta para qualquer hospital no país que identificar outro caso de ebola. A intenção é garantir que agentes locais de saúde possa tratar pacientes de uma forma segura.

Estadão Conteúdo

14 de outubro de 2014 | 19h09

Especialistas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) estão implementando mudanças para proteger profissionais de saúde no Hospital Presbiteriano do Texas, em Dallas. Uma enfermeira foi infectada ao tratar o paciente Thomas Eric Duncan, primeira pessoa diagnosticada com vírus nos EUA.

De acordo com o diretor do CDC, Tom Frieden, a equipe é composta por alguns dos maiores especialistas em como tratar o ebola e evitar o contágio de agentes de saúde. Eles vão inspecionar as áreas de isolamento, orientar quais os equipamentos de proteção necessários e a sobre descontaminação.

Frieden afirmou nesta terça-feira que ainda não está claro como a enfermeira foi contaminada e lamentou que uma "equipe de resposta rápida" não atuou quando Duncan foi diagnostico em 30 de setembro. "Isso poderia ter evitado a infecção (da enfermeira)."

Desde o diagnóstico de Duncan, o CDC tem orientado o hospital em Dallas, que também recebeu treinamento sobre o ebola antes do primeiro paciente com a doença chegar. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAebolaCDC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.