REUTERS/Mario Anzuoni
REUTERS/Mario Anzuoni

Equipe de Trump mostra confiança em indicação tranquila antes de convenção

Apesar de iniciativas de movimentos contrários ao magnata para tentar barrá-lo, membros de sua campanha esperam que o magnata nova-iorquino se torne o candidato do Partido Republicano à Casa Branca sem grandes dificuldades

O Estado de S. Paulo

18 de julho de 2016 | 12h09

CLEVELAND, EUA - No momento em que os republicanos se preparam para se reunir na cidade americana de Cleveland, no Estado de Ohio, nesta semana para oficializar Donald Trump como seu candidato a presidente, os principais assessores do empresário nova-iorquino disseram estar confiantes de terem frustrado uma rebelião cuja meta era impedir sua indicação.

Durante a semana passada, a equipe de Trump trabalhou para derrotar a oposição ao provável candidato presidencial republicano para as eleições de 8 de novembro. Alguns representantes do establishment republicano estão alarmados com suas posições polêmicas a respeito de imigrantes e muçulmanos e seu distanciamento da ortodoxia do partido em temas como o comércio.

Os apoiadores de Trump deram o controle da plataforma política da legenda aos conservadores, ajudando a pôr fim aos esforços para mudar as regras que ditam a maneira como os delegados votam. A maioria dos delegados se comprometeu com o magnata, que derrotou 16 adversários durante a fase das primárias estaduais.

"Foi esmagada", disse Paul Manafort, gerente de campanha do candidato, a respeito da rebelião anti-Trump. Forças opostas a Trump ainda podem fazer barulho na convenção, que começa nesta segunda-feira, 18, e vai até quinta-feira. Organizadores do movimento anti-Trump deram a entender que tentarão forçar uma votação nesta segunda-feira que permitiria aos delegados registrarem sua insatisfação com o postulante - mas a iniciativa parece estar enfrentando obstáculos.

"Tudo pode acontecer em uma convenção, especialmente quando você tem alguém de fora, como Trump, como o candidato provável", disse Greg Mueller, estrategista republicano que atuou na operação "Trump Jamais" durante as primárias.

Mas ele acrescentou: "Trump tem uma equipe de operadores de campanha veteranos trabalhando no momento, então acho que qualquer tentativa de tirar sua indicação na convenção é improvável, especialmente em um momento no qual a maioria dos delegados do Partido Republicano está voltada a uma coisa - ganhar e pôr fim à desgraça na qual os democratas nos mergulharam".

O time do ex-apresentador de reality show, que está trabalhando com o Comitê Nacional Republicano, tentou mediar um acordo com as forças anti-Trump durante uma reunião do Comitê de Regras na semana passada. Nenhum acordo foi obtido, e uma votação na qual se tentou permitir que os delegados comprometidos votem contra Trump na convenção resultou em uma grande derrota.

Trump, que tem 70 anos e jamais exerceu um cargo público, deve ser escolhido formalmente na terça-feira e deve aceitar a indicação na noite de quinta-feira. Seu vice de chapa, o governador de Indiana, Mike Pence, de 57 anos, irá discursar na quarta-feira. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.