Equipes de resgate encontram mais corpos de vítimas de queda do avião da AirAsia

No primeiro dia de buscas após a descoberta de destroços do voo 8501 da AirAsia, as equipes de resgate tiveram que enfrentar o mau tempo vindo da costa de Bornéu e conseguiram recuperar dois corpos, além de transportarem outros dois à costa.

Estadão Conteúdo

31 de dezembro de 2014 | 11h32

Nesta quarta-feira, o vice-brigadeiro Sunarbowo Sandi informou que o mar agitado, ventos fortes e nuvens baixas dificultaram a aproximação de aviões de busca e o envio de mergulhadores para recuperarem os corpos das vítimas. A operação terminou no fim da tarde.

Os restos mortais de duas vítimas trazidas a Pangkalan Bun foram transportadas a Surabaya para serem identificados. Um dos corpos pertencia a uma mulher de cerca de 1,60 metros, e o outro era de um rapaz de 1,40 metros. Segundo o diretor-executivo da Unidade de Identificação de Vítimas de Desastres da Indonésia, Anton Castilani, inspeções preliminares dos corpos não indicavam a causa da morte, nem davam pista alguma sobre a queda do avião.

Autoridades em Surabaya afirmaram que cinco corpos levados a embarcações em alto mar seriam transportados para a terra ainda na noite desta quarta-feira. No entanto, oficiais de Pangkalan Bun ainda esperam para ver se as condições climáticas vão permitir que helicópteros de busca se aproximem para pegá-los. Um navio enviado para recuperar os restos mortais foi forçado a voltar atrás devido ao mar agitado.

Enquanto isso, a marinha da Malásia informou que um dos corpos recuperados havia sido identificado como sendo Kevin Alexander Soetjipto, um estudante de economia na Universidade Monash da Austrália. Ele foi identificado por meio de uma carteira encontrada em seu corpo, afirmaram oficiais.

O presidente da AirAsia, Tony Fernandes, viajou a Pangkalan Bun durante a tarde e se encontrou com o vice-brigadeiro Sandi para conversar sobre as operações de resgate. Ele deixou a cidade sem conversar com a imprensa. Mais tarde, o militar contou que Fernandes quis saber sobre o andamento das missões, e sobre o tempo necessário para acabar a operação. Sandi garantiu ter assegurado o empresário de que os trabalhos estavam evoluindo o mais rápido possível.

O avião da AirAsia, que levava 162 pessoas, desapareceu na manhã de domingo, uma hora após decolar, e sem ter enviado qualquer mensagem pedindo ajuda. A aeronave voava a uma altitude normal, próximo de uma tempestade, em direção a Cingapura.

Na manhã desta quarta-feira, a agência de resgates da Indonésia afirmou ter obtido imagens de sonar do que parece ser um avião virado de cabeça para baixo no piso do oceano, sob 24 ou 30 metros de água. Segundo Sandi, nenhum sinal das caixas pretas ou sinalizadores foi detectado.

Investigadores e autoridades da AirAsia ressaltaram que ainda é muito cedo para saber o que causou a queda do avião. Baseados nas informações preliminares, especialistas dizem que a localização e o padrão relativamente concentrado dos destroços sugerem que a aeronave não se desfez no ar. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
IndonésiaAirAsiaresgatecorpos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.