Reuters
Reuters

Equipes de resgate identificam mais duas vítimas de naufrágio

Empresa dona do cruzeiro declarou que também é 'parte afetada' do acidente

Ansa e Efe,

19 de janeiro de 2012 | 11h48

GROSSETO - As autoridades italianas identificaram mais duas vítimas do acidente envolvendo o navio Costa Concordia, que naufragou na última sexta-feira na região da Toscana.

 

Veja também:
som OUÇA: 
Capitão recebe ordens de voltar para o barco
blog RADAR GLOBAL: 'Volte a bordo, c...!' vira camiseta na Itália
tabela ESPECIAL: O naufrágio do Costa Concordia

 

As duas vítimas são Jeanne Gannar de Pierre Gregoire, ambos cidadãos franceses, de acordo com a unidade de crise da Prefeitura de Grosseto.

Ao todo, 11 pessoas morreram no acidente e três vítimas foram identificadas. A primeira delas

foi um violinista húngaro, que  trabalhava como músico no navio.

 

O transatlântico naufragou após bater em uma rocha e encalhar em um banco de areia. Havia mais de quatro mil passageiros a bordo.

 

Costa Cruzeiros também é 'parte afetada'

 

A companhia Costa Cruzeiros, proprietária do cruzeiro Costa Concordia, apresentou-se nesta quinta-feira como 'parte afetada' do acidente.

Além disso, a Costa Cruzeiros comunicou que suspendeu o capitão do cruzeiro, Francesco Schettino, atualmente sob prisão domiciliar, acusado de homicídio culposo múltiplo e abandono da embarcação.

O advogado da companhia, Marco de Luca, confirmou que apresentou a promotoria de Grosseto, responsável pelas investigações, sua posição de parte afetada pelas perdas "do ponto de vista patrimonial" após o naufrágio.

De Luca ressaltou, no entanto, que os danos da empresa não podem ser comparados aos dos passageiros nem à dor das vítimas. A companhia manifestou em várias ocasiões que o acidente aconteceu devido a "um erro humano", ocorrido quando o comandante decidiu mudar a rota para se aproximar da ilha de Giglio e se chocou contra uma formação rochosa.

Segundo a Costa Cruzeiros, a mudança de direção não foi aprovada nem pela companhia nem pela Capitania dos Portos. Após a suspensão do comandante, o próximo passo deverá ser sua demissão.

Num primeiro momento, a empresa disse que se ocuparia da sua defesa, mas De Luca explicou que após saber das circunstâncias do acidente não dará mais assistência legal ao comandante.

Em entrevista coletiva na segunda-feira passada, o presidente da Costa Cruzeiros, Pier Luigi Foschi, calculou os danos da companhia em US$ 93 milhões, estimativa que ainda não contabiliza o valor dos seguros que deverão ser pagos aos passageiros.

Com Ansa e Efe.

Tudo o que sabemos sobre:
Costa ConcordianaufrágioItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.