Equipes de resgate libertam 20 mineiros na Nicarágua

Equipes de resgate da Nicarágua conseguiram libertar 20 mineiros que haviam ficado presos após um deslizamento de terra no norte do país na quinta-feira. Cinco trabalhadores ainda estão desaparecidos. O deslizamento ocorreu na mina de ouro e prata de El Comal, operada pela mineradora Hemco na cidade de Bonanza, a cerca de 420 quilômetros de Manágua.

AE, Estadão Conteúdo

30 de agosto de 2014 | 18h01

Antonio Diaz, um dos mineiros resgatados, disse que ele e seus companheiros tentaram abrir caminho com pás e picaretas. Mas, depois de 24 horas, começaram a sentir fome e alguns foram perdendo a esperança.

O prefeito de Bonanza, Alexander Alvarado, disse que 100 homens participaram dos trabalhos de resgate e que, mesmo assim, levaram cerca de duas horas para trazer o primeiro mineiro para a segurança.

Os mineiros resgatados foram examinados por paramédicos e levados para um hospital da cidade. O vice-ministro do Interior, Carlos Najar, disse que eles estavam um pouco desidratados, mas em bom estado de saúde. Rosario Murillo, primeira-dama e porta-voz do governo da Nicarágua, disse que todos os 20 mineiros tinham sido liberados do hospital no sábado à tarde.

A mina de ouro e prata é em uma concessão detida pela Hemco, controlada pela colombiana Minero. Os mineiros que tinham ficado presos são freelancers autorizados a trabalhar na área, sob a condição de que vendam para a empresa o ouro encontrado, disse o porta-voz da Hemco, Gregorio Downs.

Segundo Downs, a companhia tinha alertado sobre o risco de trabalhar na área de El Comal, depois de dois mineiros terem morrido no mês passado em um deslizamento de terra causado pela chuva no local. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
NICARÁGUADESLIZAMENTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.