Erdogan começa busca por novo primeiro-ministro turco

Atual premiê venceu a eleição com  51,9% dos votos, enquanto seu principal adversário, Ekmeleddin Ihsanoglu, obteve 38,3%

O Estado de S. Paulo

11 de agosto de 2014 | 10h01

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, reuniu a liderança de seu partido nesta segunda-feira,11, com o objetivo de encontrar um novo primeiro-ministro após sua vitória nas eleições presidenciais de ontem, na primeira eleição direta na história do país

Prévias do resultado divulgadas pela imprensa indicam que Erdogan venceu a eleição com cerca de 51,9% dos votos, enquanto seu principal adversário, Ekmeleddin Ihsanoglu, obteve 38,3%. Selahattin Demirtas, um jovem político curdo que apresentou uma plataforma de esquerda, ficou em terceiro, com 9,7% dos votos. A Comissão Eleitoral deve divulgar os dados oficiais nesta segunda-feira. 

Em seu discurso de vitória, na noite de domingo, Erdogan usou um tom conciliatório em relação a seus críticos, que temem sua permanência no poder por mais cinco anos. Erdogan já cumpriu três mandatos como primeiro-ministro. 

"O dia de hoje representa um marco para a Turquia. Hoje é o dia em que a Turquia renasceu de suas cinzas e uma nova Turquia será construída", disse ele da sacada da sede do seu Partido, o Justiça e Desenvolvimento, em Ancara, a milhares de partidários de aplaudiam e agitavam bandeiras.  "Eu não serei o presidente apenas daqueles que votaram em mim. Eu serei o presidente de 77 milhões." 

Erdogan, que tem dominado a política turca há mais de uma década, prometeu transformar a presidência de um cargo principalmente cerimonial num posto mais poderoso. Ele disse que vai colocar em prática os poderes inativos do cargo - um legado do golpe de 1980 - que incluem a capacidade de convocar o Parlamento e reuniões de gabinete.

Quem quer que substitua Erdogan como primeiro-ministro, vai ocupar o cargo até o próximo ano, quando serão realizadas novas eleições gerais. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaRecep Erdogan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.