EFE/EPA/TURKISH PRESIDENTAL PRESS OFFICE
EFE/EPA/TURKISH PRESIDENTAL PRESS OFFICE

Erdogan começa campanha pela reeleição em busca de novos poderes

Presidente ainda não oficializou candidatura, mas afirmou em comício que ‘fará história’ no pleito de junho com ‘recorde de votos’

O Estado de S.Paulo

29 Abril 2018 | 04h17

ISTAMBUL – O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, iniciou de forma não oficial sua campanha à reeleição nas eleições turcas antecipadas para junho. Em ato realizado na cidade de Izmir, reduto do oposicionista Partido Social Democrata (CHP), Erdogan prometeu vitória a aliados.

“Eu acredito que nós faremos história em 24 de junho com recordes de votos nas eleições para o parlamento e para a presidência”, afirmou Erdogan, que chamou o líder da oposição, Kemal Kilicdaroglu, de ditador. O presidente turco ainda não oficializou sua candidatura às eleições.

Caso Erdogan vença – algo considerado possível uma vez que seu partido, o Justiça e Desenvolvimento (AKP), firmou uma aliança eleitoral com o Partido da Aliança Nacionalista (MHP) -, o presidente ganhará novos poderes executivos obtidos em uma reforma aprovada por pequena margem no ano passado.

+ Erdogan adota insultos e sermões para manter fascínio da população

A impaciência para ter os novos poderes fez Erdogan antecipar as eleições presidenciais em mais de um ano sob a justificativa que a Turquia precisa de uma presidência forte para lidar com as disputas econômicas envolvendo o país e a guerra na Síria.

+ Presidente turco antecipa eleições para junho

As eleições serão conduzidas em meio ao estado de emergência em vigor no país desde a tentativa frustrada de golpe de Estado em 2016. Segundo o Comitê de Monitoramento do Conselho da Assembleia Parlamentar Europeia, a situação pode comprometer o resultado do pleito.

Para vencer o primeiro turno, o candidato precisa obter mais de 50% dos votos válidos. Pesquisas eleitorais apontam que provavelmente será realizado um segundo turno, no dia 07 de julho. //REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Recep Tayyip ErdoganTurquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.