Erdogan diz que manifestantes estão sendo usados

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou novamente que os protestos no país são parte de uma conspiração contra o governo. Mais cedo nesta terça-feira, a polícia atravessou barricas levantadas na Praça Taksim, em Istambul, e expulsou manifestantes que estavam acampados há dias no local.

AE, Agência Estado

11 Junho 2013 | 07h40

"Eles estão tentando impedir a ascensão da Turquia. (Os manifestantes) estão sendo usados por algumas instituições financeiras, o lobby da taxa de juros, e por grupos de mídia para prejudicar a economia da Turquia e (assustar) os investimentos". Ele acrescentou que deseja que todos vejam o cenário mais amplo, "para entender o jogo que está sendo jogado".

"Eu gostaria especialmente de convidá-los a sair (da Praça Taksim e do Parque Gezi). Espero isso deles como seu primeiro-ministro".

Em Taksim, polícia se dirigiu aos manifestantes através de alto-falantes, insistindo que não tinha intenção de entrar no parque, mas seria necessário esvaziar a praça e derrubar as faixas de protesto. Eles disseram que não queriam usar gás lacrimogêneo.

No entanto, os agentes de segurança entraram em conflito com alguns manifestantes e chegaram a lançar gás lacrimogêneo e atirar balas de borracha, levando muitas pessoas a fugirem para o Parque Taksim Gezi, ocupado por vários acampamentos. Os manifestantes responderam a ação da polícia com pedras, fogos de artifícios e bombas.

Em seu discurso, Erdogan deixou a entender que não será permitido o acampamento no parque por muito tempo. "Lamento, mas o Parque Gezi é para passeios, não para ocupação", disse, referindo-se ao significado da palavra Gezi, que se traduz como

"caminhada". Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
turquiaprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.