REUTERS/Umit Bektas/File Photo
REUTERS/Umit Bektas/File Photo

Erdogan ameaça União Europeia com crise migratória para pedir trégua

Líder turco vai se reunir com Putin para exigir um cessar-fogo na Síria; Kremlin mantém apoio a Assad, que fala em revide

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2020 | 07h18
Atualizado 02 de março de 2020 | 21h03

ISTAMBUL - O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou nesta segunda-feira, 2, que exigirá um cessar-fogo na Síria durante uma reunião com seu colega russo Vladimir Putin, marcada para quinta-feira. O líder turco aumentou a pressão sobre os europeus dizendo que “milhões” de migrantes se dirigirão “em breve” à Europa caso não haja uma trégua.

Os líderes devem discutir os recentes embates na província de Idlib (noroeste), na Síria, que registra intensos combates e uma catástrofe humanitária.

Após semanas de escalada na região, a Turquia informou no domingo que lançou uma grande ofensiva contra o regime de Bashar Assad, apoiado por Moscou, derrubando dois de seus aviões. “Vou a Moscou e discutirei os acontecimentos (na Síria) com Putin. Espero que ele tome as medidas necessárias, como o cessar-fogo, e que encontremos uma solução para esse assunto”, afirmou Erdogan, em discurso em Ancara.

Com o objetivo de obter mais apoio ocidental, a Turquia anunciou na sexta-feira a abertura de suas fronteiras com a Europa para permitir a passagem dos migrantes em seu território. “Desde que abrimos nossas fronteiras, o número de pessoas se dirigindo para a Europa atingiu centenas de milhares. Em breve, esse número será expresso em milhões”, afirmou Erdogan.

A reação veio em seguida. “É inaceitável que o presidente Erdogan e seu governo não expressem seu descontentamento diretamente a nós, a UE (União Europeia), mas se aproveite dos refugiados”, disse a chanceler alemã, Angela Merkel.

Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de 13 mil refugiados estão ao longo dos 212 quilômetros da fronteira terrestre greco-turca. “As portas estão abertas. Vocês terão agora que carregar sua parte do fardo”, ameaçou o líder turco.

Enquanto o encontro entre Erdogan e Putin se anuncia tenso, o Kremlin enfatizou na segunda-feira “grande importância” da cooperação entre Ancara e Moscou na Síria. A Turquia apoia grupos rebeldes e a Rússia o regime de Assad – que busca a retomada a todo custo de Idlib. Também na segunda-feira, o governo sírio declarou que vai repelir “a flagrante agressão turca”, se referindo aos aviões derrubados. A ofensiva do regime em Idlib provocou grave crise humanitária, deslocando quase um milhão de pessoas. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.