EFE/presidencia Turca
EFE/presidencia Turca

Erdogan recebe Putin e Rohani para discutir solução para conflitos na Síria

Líderes se encontram em Ancara para apresentar propostas para equilibrar os interesses contraditórios dos países em relação à possível retirada de tropas americanas e o futuro político de Bashar Al-Assad

O Estado de S.Paulo

04 Abril 2018 | 04h15

ANCARA – O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, se reúne nesta quarta-feira, 4, com os líderes da Rússia, Vladimir Putin, e do Irã, Hassan Rohani, para discutir uma solução para o conflito na Síria, onde os três países buscam expandir suas influências.

A reunião entre os três países tenta equilibrar os interesses contraditórios das nações, principalmente em relação ao futuro político do atual presidente sírio, Bashar Al-Assad. Moscou e Teerã são aliados do governo sírio enquanto Ancara apoia grupos rebeldes. Os três países são os responsáveis pelas rodadas de negociação realizadas em Astana, capital do Casaquistão, que resultaram em quatro “zonas de desmilitarização” na Síria. A última cúpula entre os três presidentes ocorreu em novembro do ano passado, em Socci, na Rússia.

+ Turquia exige que EUA retirem apoio a curdos na Síria

+ Forças pró-Assad entram em Afrin para enfrentar a Turquia

“O objetivo da reunião entre os três líderes é reorganizar e renegociar as zonas de influência na Síria e repensar o futuro do norte do país após a saída dos Estados Unidos”, disse Jana Jabbour, especialista do Centro de Investigações Internacional do instituto francês de Ciências Políticas Sciences Po.

No dia 29 de março, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump sugeriu que pretende retirar as tropas americanas da Síria e que tomaria uma decisão “muito rapidamente”. Atualmente, dois mil soldados do país atuam na região contra o grupo terrorista Estado Islâmico.

+ Putin elogia êxito militar de Assad antes de cúpula sobre Síria

Segundo especialistas, uma eventual saída dos Estados Unidos deixa o caminho livre para a expansão da influência diplomática e militar da Rússia, Irã e Turquia no país. //EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.